nsc
    nsc

    Opinião

    Em meio à crise do coronavírus, Bolsonaro desvia o foco e agora coloca Moisés no alvo

    Compartilhe

    Ânderson
    Por Ânderson Silva
    02/04/2020 - 18h54 - Atualizada em: 02/04/2020 - 19h20
    Presidente Jair Bolsonaro e governador Carlos Moisés da Silva (Foto: Divulgação / Comunicação da Transição)
    Presidente Jair Bolsonaro e governador Carlos Moisés da Silva (Foto: Divulgação / Comunicação da Transição)

    Ainda insistindo na polarização, o presidente Jair Bolsonaro estabeleceu às claras a discordância com as medidas adotadas pelo governador Carlos Moisés da Silva em Santa Catarina no combate ao novo coronavírus. Além disso, atacou diretamente o catarinense: "Esse Carlos Moisés, pelo amor de Deus. Ele se elegeu com o meu nome, mais um que se elegeu com o meu nome. Ele é o dono do Estado, é um outro país. As consequências estão aí".

    > Em site especial, saiba tudo sobre coronavírus

    Há dias Bolsonaro vem criticando governadores que adotaram restrições de circulação. Os alvos, até então, eram João Doria (SP) e Wilson Witzel (RJ). Moisés agora entra na lista com uma clara demonstração de conflito do presidente da República. A diferença em relação aos demais é que o catarinense se elegeu no mesmo PSL de Bolsonaro. Desde o começo do governo de ambos - um em Brasília e outro em Santa Catarina -, a ala bolsonarista vem atacando Moisés por alguns de seus posicionamentos.

    A declaração do presidente da República, nesta quinta-feira, é um sinal forte de afastamento político. Total por parte de Bolsonaro, que insiste em criar conflitos quando a relação com os Estados, independentemente de questões partidárias, deveria ser com foco no combate ao vírus que já matou 299 pessoas no Brasil.

    Moisés, corretamente, prefere evitar o confronto neste momento, algo que será inevitável num futuro próximo. Em vídeo divulgado no final da tarde, o governador não entrou no embate e pregou a "união" e discursos conjuntos entre as autoridades. Além disso, continuou com o foco no isolamento social, criticado por Bolsonaro.

    Uma divergência de conceitos é natural do processo, e deve ser solucionada com base em diálogo entre os envolvidos. Os governadores e o presidente da República se reuniram há uma semana justamente para alinhar as medidas diante da crise. A declaração de Bolsonaro nesta quinta, porém, vai contra o que é necessário para o momento.

    O país não pode perder tempo com discussões baseadas em discordâncias ideológicas justamente por quem deveria liderar o enfrentamento à doença. O coronavírus avança, trabalhadores e empresários pedem ajuda, a saúde pública requer estruturação. O ataque a governadores ou sejam quais forem as autoridades num cenário como o atual cria um clima que não traz benefício algum.

    Veja abaixo o vídeo de Bolsonaro desta quinta-feira:

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas