nsc
nsc

Legislativo

O impacto dos 25 segundos para aprovação de custos da Câmara na população de Florianópolis

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
13/07/2019 - 05h05 - Atualizada em: 15/07/2019 - 13h45
(Foto: Marco Favero / Agência RBS)
(Foto: Marco Favero / Agência RBS)

Os 25 segundos para inclusão, discussão e votação de um aumento de custos milionário para a Câmara de Vereadores de Florianópolis, aprovado pelos próprios parlamentares, falam muito mais do que o pequeno espaço de tempo que representam. Eles dão sinais preocupantes da falta de conexão entre os reais problema da Capital catarinense e o que o Legislativo enxerga como primordial.

Os vereadores aprovaram um vale-alimentação de R$ 1 mil, além de criarem condições para aumentar as verbas de gabinete. Mensalmente, cada parlamentar recebe R$ 15,3 mil como salário. Seria realmente necessário ter mais uma contribuição do dinheiro público para as refeições? Como se os R$ 15,3 mil fossem pequenos diante das necessidades básicas de qualquer um dos vereadores.

O texto do projeto de lei afirma algo ainda mais alarmante. A justificativa para o vale-alimentação é essa: "o programa de auxílio-alimentação tem por objetivo contribuir para melhoria das condições de alimentação dos servidores públicos e dos agentes políticos da Câmara Municipal de Florianópolis e, em consequência, proporcionar meios para o aumento de produtividade e eficiência funcional". Resumindo, a proposta diz que os parlamentares precisam do valor para produzir mais.

A imagem dos vereadores e da Câmara, entretanto, ficou em segundo plano com uma votação às pressas. Tudo feito com um só objetivo: esconder o aumento de custos da população. Tanto é que com a divulgação da informação e a óbvia repercussão, o presidente da Câmara, Roberto Katumi (PSD), decidiu propor a revogação do vale-alimentação. Ou seja, a ideia era realmente fazer tudo sem qualquer divulgação.

Exemplo disso foi a celeridade. O projeto entrou na Casa no mesmo dia, 10 de julho. E passou em poucas horas pelas comissões necessárias. Sem falar que no dia seguinte começava o recesso parlamentar para a retomada dos trabalhos somente em 5 de agosto. Mais um sinal de que a construção de cenário era ideal para aprovar os custos e deixar o assunto se perder no tempo pelas próximas semanas.

Por mais que a proposta seja revogada em parte ou na sua totalidade, a imagem da Câmara de Vereadores sai bastante arranhada. O pior resultados da votação apressada é a perda da confiança da população, já bastante descrente com a classe política. Os 25 segundos certamente mudam a forma com que os moradores da Capital vão enxergar o Legislativo.

Leia também: Após repercussão, Katumi vai propor revogação de vale para vereadores de Florianópolis

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Mais colunistas

    Mais colunistas