publicidade

Navegue por
Ânderson

Saúde

Sem médicos cubanos, Santa Catarina perde 250 profissionais em 140 cidades

Compartilhe

Por Ânderson Silva
14/11/2018 - 15h05 - Atualizada em: 16/11/2018 - 07h18
Foto: André Ávila / Agencia RBS

ATUALIZAÇÃO: Diferentemente do informado até as 19h20min desta quinta-feira (15), o número de cidades com atuação de profissionais cubanos do programa Mais Médicos em SC é de 140. A informação de que seriam 200 cidades havia sido repassada pela assessoria de imprensa e pelo coordenador do programa, ambos ligados à Secretaria de Saúde do Estado. O texto já foi atualizado.

O anúncio do governo cubano de rompimento da parceria com o Brasil no projeto Mais Médicos terá impacto direto em Santa Catarina. O Estado conta atualmente com 250 profissionais em 140 cidades. Eles trabalham em todas as regiões catarinenses, mas principalmente nos municípios menores. O primeiro grupo chegou em 2014.

A última turma de cubanos que desembarcou em Santa Catarina começou a trabalhar em outubro do ano passado. Foram 36 profissionais. Eles se juntaram, na época, a 261 que já trabalhavam no Estado.

Naquela oportunidade, SC teve o segundo maior contingente nomeado, atrás apenas da Bahia, com 50 profissionais. Os médicos começaram a atuar em 34 municípios – a maior parte no Oeste, no Planalto Norte e no Sul do Estado – e no Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul, que compreende o território do Oeste e do Meio-Oeste, onde estão localizadas reservas indígenas.

Segundo o coordenador do programa em Santa Catarina, Paulo Orsini, a organização cubana responsável por enviar os profissionais encaminhou um comunicado oficial informando sobre o rompimento do contrato com o Brasil. Além disso, cada um dos profissionais também recebeu uma carta no mesmo sentido. No entanto, Orsini ainda tem esperança da reversão do quadro.

— Quando Michel Temer assumiu, houve algo no mesmo sentido. Mas depois ocorreu uma negociação e a situação se resolveu. Desta vez, os médicos receberam um comunicado de que devem voltar para Cuba assim que receberem os tickets de passagem.

Diante do aviso, alguns profissionais chegaram a ir para casa durante o dia no aguardo de novas orientações. Mas, enquanto as passagens de avião não são enviadas, eles devem permanecer trabalhando. Há cidades do interior catarinense onde os cubanos são os únicos médicos. Em Içara, no Sul do Estado, boa parte do quadro de médicos é compostas pelos profissionais estrangeiros. Neste mês de dezembro, mais 50 trabalhadores viriam para o Estado.

O Programa de Médicos está em andamento desde agosto de 2013 com médicos de diversos países e, desde então, quase 20 mil médicos cubanos já atenderam 113,5 milhões de brasileiros, segundo o governo federal.

Em um texto publicado na internet, "o Ministério de Saúde Pública de Cuba tomou a decisão de não continuar participando do Programa Mais Médicos e assim comunicou à diretora da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e aos líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa".

Em diferentes ocasiões durante sua campanha eleitoral, Bolsonaro anunciou que suspenderia esse programa com a OPAS e Cuba e que seu governo contrataria individualmente médicos que desejassem permanecer no Brasil.

Leia outras notícias sobre saúde

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Ânderson Silva

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

anderson.silva@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação