nsc
nsc

publicidade

Na Alesc

Sócio da Espaço Aberto é ouvido por mais de três horas na CPI da ponte Hercílio Luz

Compartilhe

Ânderson
Por Ânderson Silva
14/08/2019 - 14h19
Paulo Ney Almeida (direita) é aconselhado por advogados durante o depoimento na CPI na Alesc (Foto: Ânderson Silva)
Paulo Ney Almeida (direita) é aconselhado por advogados durante o depoimento na CPI na Alesc (Foto: Ânderson Silva)

Durou quase três horas e meia o depoimento do empresário e arquiteto Paulo Ney Almeida na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da ponte Hercílio Luz, na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), nesta quarta-feira. A reunião começou às 10h e se estendeu até 13h20min. Somente o relator, o deputado Bruno Souza (sem partido) fez perguntas ao sócio da construtora Espaço Aberto, principal empresa do Consórcio Monumento Florianópolis, que comandou a reforma da estrutura entre 2008 e 2014.

Almeida estava acompanhado de dois advogados. Por diferentes momento eles interferiram no depoimento ao questionar o comportamento do relator durante as perguntas. O empresário foi enfático no seu discurso de que o governo do Estado não pagava os valores necessários para que a obra pudesse ser feita sem atrasos. Ao descrever o formato adotado para a reforma, o sócio da Espaço Aberto disse: "a única coisa que mudou na obra foi a nossa empresa". Volta e meia, ele voltava ao mesmo assunto para colocar a empresa como principal prejudicada no contrato.

Para o empresário, a estratégia usada atualmente para a recuperação já havia sido traçada anteriormente pela construtora: "o mais difícil nós fizemos, que foi deixar a ponte segura". No entanto, o contrato entre o Estado e a empresa de Almeida foi rescindido em 2014 pelo então governador Raimundo Colombo. Naquela época, a etapa conhecida como Ponte Segura não foi finalizada, o que somente ocorreu em 2016 com a contratação emergencial da construtora Empa, braço brasileiro da Teixeira Duarte, que atualmente faz a reforma.

Quando perguntado por Souza sobre eventuais irregularidades ocorridas no contrato, Almeida negou e retrucou: "irregularidade foi nos tirar na obra". Diante disso, o relator pediu que o empresário abrisse os seus sigilos bancários e fiscal. Ele aceitou. Aos poucos, durante o depoimento, Almeida diminuiu o ritmo das respostas e em alguns casos limitou-se a "não" e "não sei". Os advogados interferiram outras vezes sob a justificativa de que o relator estava repetindo perguntas, o que na maioria dos casos foi deferido pelo presidente da CPI, o deputado Marcos Vieira (PSDB).

Souza dividiu seus questionamentos entre vários pontos: contratação da obra, empresas envolvidas no consórcio, notas fiscais, sócios das empresas, qualificação técnica da construtora, recursos financeiros, entre outros temas. A maioria das perguntas o empresário nem sequer olhou para os documentos apresentados em slide. Os advogados, por outro lado, estavam sempre atentos.

Almeida foi a trigésima pessoa ouvida pela CPI desde o começo da investigação. A estratégia do relator é a de chamar para depoimento os envolvidos nos contratos por ordem cronológica, desde a década de 1980.

Deixe seu comentário:

Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

Últimas do colunista

Loading interface...
Ânderson Silva

Colunista

Ânderson Silva

Colunista da NSC Comunicação, publica diariamente informações relevantes sobre as decisões que impactam o catarinense, sem esquecer dos bastidores dos poderes. A rotina de Florianópolis em texto e imagens também está no radar da coluna.

siga Ânderson Silva

publicidade

publicidade

Mais colunistas

    publicidade

    publicidade

    Mais colunistas