nsc
    nsc

    MELHOR JOGADORA DE HANDEBOL DA EUROPA

    "Seria uma Olimpíada mais simbólica do que competitiva", diz Duda Amorim sobre adiamento de Tóquio-2020

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    24/03/2020 - 11h06 - Atualizada em: 24/03/2020 - 11h13
    Foto: IHF, Divulgação
    Foto: IHF, Divulgação

    A blumenauense Duda Amorim, armadora da Seleção Brasileira de Handebol, conversou com a coluna na manhã desta terça-feira (24) e falou sobre o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio por conta da pandemia do novo coronavírus. A atleta mora em Györ, cidade da Hungria que também vive situação de isolamento social para evitar a propagação da doença.

    > Em site especial, saiba tudo sobre o novo coronavírus

    Duda diz que a sensação é “estranha”, já que toda a preparação estava sendo feita de olho nos meses de julho e agosto, quando ocorreria a Olimpíada. Mesmo assim, a melhor jogadora da Europa na última temporada diz que a decisão do Comitê Olímpico Internacional (COI) foi correta:

    — Não poderíamos arriscar a vida de ninguém, desde que os que estão jogando, até aqueles que iriam para assistir. Não saberemos como estará o coronavírus até lá, então foi uma boa decisão.

    A atleta ainda destaca que a preparação de muitos competidores seria comprometida, o que diminuiria a qualidade técnica dos Jogos Olímpicos.

    — Nem todos os atletas e equipes estavam treinando da mesma maneira. Se a Olimpíada acontecesse agora, seria muito mais simbólica do que competitiva.

    Confinamento na Hungria

    Assim como muitos outros atletas no mundo, Duda Amorim também enfrenta a questão do isolamento social por conta da Covid-19. Até a manhã desta terça-feira, a Hungria já havia somado 167 casos e sete mortes confirmadas pela doença. A armadora relata que muitos respeitam a quarentena, porém outros — em meio ao frio — ainda saem às ruas nos dias de sol.

    — Aqui as pessoas de modo geral estão respeitando o confinamento. Em alguns dias de sol ainda vemos alguns em parques. São aqueles que não veem muita preocupação. Eu evito de ir até no mercado, para não ter risco e fazer com que tudo isso passe o mais rápido possível — finaliza.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas