publicidade

Navegue por
Cacau

Bolsonaro

Ausências de Queiroz em depoimentos comprometem o discurso do novo presidente

Compartilhe

Por Cacau Menezes
12/01/2019 - 05h00 - Atualizada em: 12/01/2019 - 05h00
Bolsonaro
(Foto: )

É como massa de bolo com fermento. Quando mais espera ou descansa, mais cresce. As ausências do Queiroz e sua família e a postergação do senador eleito Flávio Bolsonaro no comparecimento ao Ministério Público do Rio de Janeiro comprometem cada vez mais o discurso de campanha do novo presidente do Brasil.

Muito Dinheiro

Você gostaria de ter uma ideia de quanto fatura e de quanto lucra a Havan? Pois o Serviço Secreto do Cacau descobriu. O faturamento de 2018, que ainda está sendo calculado, deve ser de R$ 7 bilhões, um aumento estimado em 48% se comparado ao de 2017.

Como a margem de lucro é de 11%, ficará em torno de R$ 800 milhões. É mole? Em 2019, com a abertura de 30 novas lojas, a rede estima atingir R$ 10 bilhões em faturamento líquido. Sabe o que é isso? 

Arrancada

Começou a trabalhar o governador Moisés. Nesta semana sancionou a Lei que denomina Presidente Deputado Aldo Schneider o novo prédio adquirido pela Alesc que custou R$ 83 milhões.

Com sorte

Não tô dizendo que o bagulho tá nervoso. O primeiro prêmio da Loteria Federal de quarta-feira saiu novamente para Floripa e para um só ganhador. Concurso: 5.352. Bilhete: 74.346. Prêmio: R$ 350 mil. E a Mega-Sena acumulou novamente.

Sofrimento

Donos de empresas, vereadores, secretários e especialistas em mobilidade urbana deveriam atender ao convite de um profissional cobrador de ônibus da Capital. Uma viagenzinha só, que pode ser assim, como a de um trecho num domingo após o Natal, segundo seu relato:

- Busão saiu às 16h50min do Tican para o Tilag, carro cheio. Tem passageiro carregando dois filhotes de gato miando constantemente, tem mulher com crianças chorando, cheiro de sovaco vencido de um bocado de gente, suadouro geral, todo mundo se encostando e reclamando e por aí vai... Duração da viagem? 5 horas em média. Quem, em sã consciência, gosta de se deslocar nestas condições? A propósito, o contingente de usuários do transporte público da Capital diminuiu cerca de 5% em 2018 em relação a 2017. Por que será?

Quem se habilita?

É pelas praças públicas que uma comunidade fica sabendo como se organiza a sociedade. A julgar pela situação de absoluto abandono da Praça Olívio Amorim, localizada à Avenida Mauro Ramos, no coração da Ilha, Floripa ainda deixa muito a desejar. Eis aí, portanto, uma ótima oportunidade para uma nova parceria entre os poderes público e privado e, a exemplo de outras belas praças de uso coletivo, fazer a recuperação daquele local de árvores centenárias e pulmão verde da cidade. Eu apoio,

Bolsa-bala 

O senador Cristovam Buarque está assustado com a possibilidade de algumas medidas do governo de Jair Bolsonaro não poderem ser revertidas, caso não deem certo. Cita o caso da facilitação do posse/porte de armas. "Com a flexibilização a coisa vai se ampliar. Logo alguém vai argumentar que esse direito de portar armas tenha de ser para todos, com financiamento para a compra de revólveres pela população mais carente. Ainda veremos o bolsa-bala?", provoca o senador

Ao chão

Os pontos de venda de milho e churros estão com seus dias contados. Em Balneário Camboriú, por exemplo, a  praia Central, onde existem aproximadamente 50 quiosques e 150 vendedores isolados, ficará livre desses pontos a partir de 31 de maio deste ano, por determinação do Ministério Público. Os locais estão irregulares porque foram concedidos sem licitação. Se o prefeito Fabrício Oliveira não cumprir a determinação, terá que pagar multa pessoal de R$ 1 mil por dia.

Doze dias

Neste sábado completam-se 12 dias que o PSL está no poder em Santa Catarina. Já teve nomeação e exoneração da mesma pessoa por disputas políticas, puxada de tapete de correligionários e agora a briga interna dos deputados eleitos para defenestrar o presidente Lucas Esmeraldino. Mas não era para ser diferente? 

O que dizem e eu não afirmo

Que a  vaga ocupada pelo filho do General Mourão no Banco do Brasil estava reservada para o catarinense Henrique Pizzolato, que por razões "técnicas" teve que declinar do convite.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação