publicidade

Navegue por
Carolina

Análise política

Bolsonaro, deixa investigar

Compartilhe

Por Carolina Bahia
17/05/2019 - 06h00 - Atualizada em: 20/05/2019 - 22h44
Isac Nobrega / Presidência da República/Divulgação
(Foto: )

Quem carrega a bandeira da ética na política não pode reclamar de investigação. Aliados de primeira hora de Jair Bolsonaro não escondem o constrangimento quando questionados sobre as mais recentes declarações do presidente da República sobre o processo que atinge o primeiro-filho e senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

Repetindo um discurso já ouvido de outras lideranças políticas no passado, Bolsonaro reclama que está sendo perseguido e que a quebra de sigilo das contas do filho e de assessores tem o objetivo de atingi-lo. A colegas do PSL, Flavio tem afirmado que está com a consciência tranquila, que nada fez de errado. Então, se é assim, por que não deixar o Ministério Público investigar até o fim as suspeitas de transações financeiras atípicas?

Flávio tentou barrar as investigações por duas vezes, inclusive no STF, alegando quebra ilegal de sigilo. Saiu derrotado. Ele é suspeito de participar, quando deputado estadual, de um esquema muito conhecido entre políticos do baixo ao alto clero: o caixinha, envolvendo salários dos funcionários do gabinete. A lavagem de dinheiro, com compra a venda e imóveis, também está sob investigação. 

Esforços para soltar Cunha

O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB-RJ) resolveu reforçar a defesa para tentar no Supremo Tribunal Federal (STF) a anulação da condenação no TRF4 e o envio do processo para a Justiça Eleitoral. Advogado de Cunha, Aury Lopes Jr contou à coluna que a expectativa é de que o relator, ministro Edson Fachin, leve os pedidos para julgamento em plenário. Cunha está preso desde outubro de 2016.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação