publicidade

Navegue por
Carolina

Mudou

Bolsonaro e as armadilhas das redes sociais durante o mandato

Compartilhe

Por Carolina Bahia
08/01/2019 - 05h00 - Atualizada em: 08/01/2019 - 05h00
Bolsonaro
(Foto: )

*Por Silvana Pires

O presidente Jair Bolsonaro sempre soube usar muito bem as redes sociais para falar diretamente com seu público. O que mudou agora é que suas declarações têm um peso ainda mais forte, afinal é o mandatário do país. Suas postagens estão sob o escrutínio de todos, não existe mais apenas apagar uma mensagem e ela deixar de existir. Foi o que ocorreu na polêmica envolvendo o contrato anual de aluguel de carros para o Ibama, em torno de R$ 30 milhões.

Ao retuítar uma mensagem do ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) sobre o assunto, Bolsonaro comentou que seu governo está “desmontando rapidamente montanhas de irregularidades”. Por mais que seja importante encontrar o que está errado e arrumar a casa, o presidente precisa ter certeza de que há mesmo algum problema para então se manifestar. A julgar pela rapidez com que apagou a mensagem, esse não era o caso.

Ao comentar a confusão envolvendo aumento do IOF e mudanças na tabela do IR, o ministro general Augusto Heleno (GSI) lembrou que o peso nas costas do presidente é muito grande e que ele acaba ouvindo muita coisa, sem ter tempo de conferir “se o que ele ouviu está valendo ainda”. Se é isso que está realmente acontecendo a situação é ainda mais complicada.

É bom lembrarmos que uma declaração do presidente, mesmo que com a melhor das intenções, pode provocar a disparada do dólar, a queda da Bolsa, por exemplo. Bolsonaro hoje não pode mais se dar ao luxo de publicar uma declaração e deletá-la depois. Todas as suas falas são, sim, uma posição de governo. 

 

DENATRAN

Uma das prioridades do novo diretor do Denatran, Jerry Adriane Dias Rodrigues, será ampliar a troca de informações entre municípios, Estados e União. Hoje nem sempre os dados dos motoristas, por exemplo, estão disponíveis em todos os bancos de dados do país. 

LEI ROUANET

Entre as mudanças na Lei Rouanet analisadas pelo Ministério da Cidadania, responsável pela área da Cultura, estão a redução do teto anual de R$ 60 milhões em projetos apresentados por uma mesma empresa, o aumento de 10% para 40% na oferta de ingressos gratuitos por espetáculo e maior estímulo para a participação das regiões Norte e Nordeste, além de criar uma ferramenta que ateste a “qualidade” das propostas.

FRASE

Não teve rusga nenhuma, nem rusga, nem carrinho por trás, nem tesoura voadora, não teve nada. Hoje de manhã se encontraram aí, best friends, não tem essa história. – General Augusto Heleno, ministro do gabinete de segurança institucional ao comentar a relação entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes (Economia).

Deixe seu comentário:

Carolina Bahia

Carolina Bahia

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação