nsc
nsc

Esclarecimento 

O que está por trás da absurda declaração de Eduardo Bolsonaro

Compartilhe

Carolina
Por Carolina Bahia
31/10/2019 - 15h40 - Atualizada em: 31/10/2019 - 20h43
Eduardo Bolsonaro (Foto: Diorgenes Pandini / DC)
Eduardo Bolsonaro (Foto: Diorgenes Pandini / DC)

Manifestação sobre AI-5 conseguiu desagradar partidos da esquerda à direita. Desviar a atenção, mobilizar a militância, levar ao extremo a tática do "nós contra eles". Esse é o principal objetivo do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao defender a volta do AI-5, como se uma alternativa fora do roteiro democrático fosse possível ou aceitável.

A frase é um atentado tão grande aos valores democráticos que os principais partidos, da direita à esquerda, já se manifestaram oficialmente, afastando qualquer possibilidade de volta da ditadura.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avisou que o comportamento é passível de punição, ministros e ex-ministros do STF e do STJ consideram o discurso inaceitável. 

Em um primeiro momento, alguns deputados bolsonaristas tentam minimizar o impacto da frase, dizendo que Eduardo falou na condicional. Outros deputados alinhados à família claramente não sabem o que foi, nem quando ocorreu o AI-5.

O segundo momento deste roteiro ficará por conta da militância digital, que passará a afirmar que o presidente e os filhos são perseguidos e que existe um complô contra a família.

A família Bolsonaro se abastece da polêmica. Ao lado da extrema polarização, é o combustível que ajudou a levar Jair Bolsonaro à presidência da República e que elegeu os filhos com robustas votações. Combustível que, hoje, também serve de escudo. O deputado Eduardo Bolsonaro, filho número 3, defendeu a volta do AI-5 como resposta a uma eventual radicalização da esquerda, sabendo bem o tamanho da reação que iria provocar.

A entrevista foi na segunda-feira, no mesmo dia da publicação do famoso vídeo das hienas. No filme, Bolsonaro é apresentado como leão ameaçado pelo STF, pela imprensa, pela OAB, pelo feminismo e até pela Lei Rouanet. Tudo isso, dias depois do vazamento de áudios do ex-policial Fabrício Queiroz, aquele envolvido na suspeita do caso das rachadinhas no gabinete do então deputado estadual Flavio Bolsonaro.

Em meio a essa confusão, a equipe econômica está perplexa. Técnicos preparam as próximas reformas a serem encaminhadas ao Congresso. Mas, diante da indignação dos partidos, quem consegue ambiente político para votar alguma coisa?

Leia também

Eduardo Bolsonaro estará em Santa Catarina na próxima semana

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC​.

Deixe seu comentário:

Carolina Bahia

Colunista

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

siga Carolina Bahia

Últimas do colunista

Loading interface...
Carolina Bahia

Colunista

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

siga Carolina Bahia

Mais colunistas

    Mais colunistas