nsc

publicidade

Carolina

Negociações

O recado de Gilmar Mendes para a CPI da Lava-Toga 

Compartilhe

Por Carolina Bahia
16/09/2019 - 05h25
Gilmar Mendes e a CPI da Lava-Toga (Foto: Nelson Jr./STF/Divulgação)

(Foto: )

Um grupo de senadores tenta desde o início do ano emplacar a CPI da Lava-Toga para investigar o Judiciário. Em fevereiro, foi protocolado requerimento para a instalação, mas, com a desistência de três parlamentares, ficou abaixo das 27 assinaturas necessárias. Um mês depois, nova tentativa foi arquivada pelo presidente Davi Alcolumbre que citou o regimento, no qual está previsto que não se deve admitir comissões sobre “matérias pertinentes às atribuições do Poder Judiciário”. 

Alcolumbre afirmou ainda que a maioria dos colegas acredita que uma CPI como esta poderia acirrar os ânimos entre os poderes e uma briga institucional não seria boa para o país. Nos últimos dias, um roteiro de intrigas se formou em torno de mais um pedido de CPI: a senadora Maria do Carmo (DEM) retirou assinatura, a Juíza Selma não cedeu à pressão e irá trocar de partido (sai do PSL e vai para o Podemos) e o filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PSL), foi acusado de gritar com a senadora Selma quando falavam sobre a comissão. Flávio nega.

Do outro lado, o ministro do STF Gilmar Mendes afirmou ao jornal Folha de S.Paulo que se a CPI fosse instalada, não produziria resultado e “certamente, o próprio Supremo mandaria trancá-la”, pois a independência dos poderes não permite esse tipo de investigação. Senadores favoráveis à comissão, como major Olímpio (PSL) e Alvaro Dias (Pode), foram para as redes sociais reclamar do ministro que, inclusive, tem pedido de impeachment contra si parado no Senado. 

Leia também:

Concessão de trecho sul da BR-101 deve sair até o fim do ano 

O governo federal pretende lançar ainda no 4º trimestre deste ano o edital de concessão da BR-101, em Santa Catarina, com valor estimado de R$ 2,9 bilhões. O trecho a ser concedido vai de Palhoça até a divisa com o Rio Grande do Sul. 

Linha direta com o ministro 

Novato no Twitter, entrou um pouco antes da posse do governo Bolsonaro, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, usa a rede social não só para divulgar o trabalho da pasta. À coluna, Tarcísio contou que os comentários e sugestões dos usuários têm ajudado a chamar atenção para problemas em algumas obras e rodovias.  

Deixe seu comentário:

Carolina Bahia

Carolina Bahia

Carolina Bahia

O olhar de Santa Catarina no dia a dia da política nacional. O que acontece em Brasília e os feitos no Estado das decisões tomadas na capital do país.

carolina.bahia@gruporbs.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade