Navegue por

publicidade

Carolina

Política

Socorro aos venezuelanos

Compartilhe

Por Carolina Bahia
13/02/2018 - 07h44 - Atualizada em: 13/02/2018 - 07h44
roraima
(Foto: )

Por trás da visita de última hora do presidente Michel Temer a Roraima também está o desejo de abafar a polêmica de Carnaval produzida pela declaração desastrada do diretor-geral da PF, Fernando Segóvia. Isso não esvazia, no entanto, a gravidade da situação de Boa Vista e dos venezuelanos que chegam ao Brasil. Resultado de um governo ineficiente e de uma política econômica desastrada, a crise na Venezuela leva os cidadãos a fugirem em busca de uma vida melhor. Há mais de 300 pessoas nessa situação só em uma praça em Boa Vista. A prefeitura estima que, hoje, 40 mil imigrantes estejam vivendo na cidade. O governo federal anunciou que fará um levantamento para saber exatamente quantos venezuelanos estão na região. De um mapa consolidado depende a ampliação de uma política social para abrigar essas pessoas:

– Choca muito – reconheceu o ministro Raul Jungmann (Defesa).

Há semanas as autoridades brasileiras se reúnem para tentar costurar uma solução para o problema que é social e de caráter humanitário. Fechar a fronteira, como chegaram a sugerir políticos locais, é uma maneira covarde de virar as costas para o problema. Mas já foi descartada. Temer anunciou que haverá recursos e o encaminhamento de venezuelanos para outros Estados. Uma operação nada fácil.

Bom senso 

Quem acompanhou as reuniões ministeriais sobre a situação dos venezuelanos relata que os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Aloyzio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) foram os maiores defensores de ações sociais para socorrer os imigrantes.

Jatinho

Será que o apresentador Luciano Huck está preparado para virar vidraça? O financiamento do BNDES para a compra do jatinho é o primeiro teste de resistência.

Semiaberto

Enquanto a situação do deputado João Rodrigues (PSD-SC) não se resolve, o juiz da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre, Sidinei Brzuska, o encaminhou para a Fundação Patronato Lima Drummond – um albergue – onde passará a cumprir a pena no semiaberto. Brzuska informa que caberá ao TRF-4 decidir sobre o pedido da defesa de transferência do parlamentar para Brasília.

Consulta

Ao criticar a polêmica declaração do diretor-geral da PF, Fernando Segóvia, o presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), Edvandir Paiva, falou no polêmico caso envolvendo o reitor da UFSC. Paiva reclamou que a delegada responsável pela Operação Ouvidos Moucos, Érika Marena, ainda não foi confirmada na superintendência da PF em Sergipe porque o ministro da Justiça, Torquato Jardim, aguarda manifestação dos familiares do reitor Luiz Carlos Cancellier. Alvo da operação, ele se suicidou em outubro do ano passado.

Leia todas as publicações de Carolina Bahia

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação