nsc
nsc

Opinião

Caçadores de arco-íris

Compartilhe

César
Por César Seabra
05/06/2021 - 15h14 - Atualizada em: 05/06/2021 - 15h19
coluna-cesar-seabra-05-06-2021
Como é bom sentir que a ignorância é uma bênção. Deus, como pode ser boa a vida (Foto: Ilustração de Pedro Cardenuto)

Desperto, espreguiço, alongo ainda na cama. Lá fora a algazarra dos pássaros e sua cantoria. Sorrio. Abro a janela, o ar fresco e confortável do outono bate no rosto, o céu de um azul límpido. Que linda é a vida, penso em silêncio. Escovo os dentes e me sinto num bonito e asséptico comercial de televisão.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Da cozinha vem o aroma gostoso do café. De onde será, Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais? Seu perfume toma toda a casa. Antes, um suco de laranja. Resisto, não ligo a TV, nem vou à porta buscar os jornais, eles publicam somente notícias ruins e efemérides. Não me interessa essa imprensa negacionista e marrom. Abro o toca-discos, vasculho a coleção de LPs, escolho um velho Roberto Carlos. “Mandei meu Cadillac pro mecânico outro dia/ Pois há muito tempo um conserto ele pedia/E como vou viver sem um carango pra correr?/Meu Cadillac, bi-bi/Quero consertar meu Cadillac”.

A manhã passa serena. Tatuadas na memória, lembranças dos tempos de menino. As pipas que bailavam pelo ar, o futebol no paralelepípedo e os dedos quebrados, bola de gude, jogar pião, as inocentes paqueras, sonhar com o ouro ao fim do arco-íris, a malhação dos judas.

Agora sinto o cheiro dos bolinhos de carne que a mãe fazia. Também escuto o noticiário esportivo no radinho de pilha Telefunken do pai, enquanto as irmãs mergulham em seus deveres escolares.

coluna-cesar-seabra-05-06-2021
Mais um dia se passou, assim, como um estalar de dedos, como se o mundo lá fora tivesse simplesmente parado.
(Foto: )

O dia segue a toada no ritmo de Clara Nunes. “O mar serenou quando ela pisou na areia/Quem samba na beira do mar é sereia...” Lá fora algumas pessoas estão se vacinando. Outras, morrendo. Todos teremos que morrer um dia, não é verdade? De uma gripezinha, um resfriadinho, uma doença qualquer. Tanto faz, quem se importa? Estamos até prontos para sediar um torneio internacional de futebol e provar ao mundo que tudo vai maravilhosamente bem no nosso Brasil varonil.

> Leia outras colunas de César Seabra

A noite chega. O céu se torna cinzento, o frio outonal congela o sorriso. Hora de aproveitar coisas que os novos tempos permitem. Uma boa série (leve e descompromissada), um filminho antigo (nada de guerra e coisas de política), uma novela reprisada (sem esses temas modernosos de hoje em dia). A sopinha de aspargos, a tacinha de Merlot, quatro ou cinco páginas de Jorge ou Clarice ou Cecília. O sono aos poucos vai me abatendo. Mais um dia se passou, assim, como um estalar de dedos, como se o mundo lá fora tivesse simplesmente parado.

Como é bom sentir que a ignorância é uma bênção. Deus, como pode ser boa a vida.

Pra refletir:

Do ator e cineasta inglês Carhlie Chaplin:

Você nunca achará o arco-íris se você estiver olhando para baixo.

Do ator e compositor brasileiro Mário Lago:

Quando deixarmos de ter esperança é melhor apagar o arco-íris.

Do poeta brasileiro Caio Fernando Abreu:

Se amanhã o que eu sonhei não for bem aquilo, eu tiro um arco-íris da cartola. E refaço. Colo. Pinto e bordo.

Da escitora britânica Virginia Woolf:

Tudo é efêmero como o arco-íris.

Leia também:

> Conheça os 16 animais mais estranhos e raros vistos em SC

> Novo decreto em SC: o que está proibido e liberado até 15 de junho

> Autorização da Anvisa para importar Sputnik V reativa negociações de consórcio

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

Mais colunistas

    Mais colunistas