nsc
nsc

Opinião

O peso eterno do “não sei”

Compartilhe

César
Por César Seabra
12/03/2022 - 06h04
coluna-cesar-seabra-nao-sei
César Seabra: "É preciso humildade para reconhecer toda a nossa ignorância e arrogância. São necessários despojamento e desafetação para entender que o conhecimento, sempre, levará a eternas dúvidas" (Foto: Unsplash)

Aprender não tem fim. Nunca haverá uma linha de chegada. Basta manter viva a chama do estranhamento. As lições estão por aí, no dia a dia, derramadas em gestos, amores, viagens, alegrias, lágrimas, vitórias, derrotas, dores, frases. É como disse a poeta polonesa Wisława Szymborska, em seu discurso ao receber o Prêmio Nobel de Literatura de 1996: “Seja lá o que for a inspiração, ela nasce de um contínuo ‘não sei’”. O segredo de tudo é o “não sei”.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

No carnaval-sem-carnaval que se passou, nos escondemos numa fazenda no meio da Mata Atlântica. Há muito tempo não aprendia tanto. A começar pela reconexão com a terra, os cheiros, a pitanga, o limão, as verduras, o ar, os bichos, o verde, o sol, a água leve, o lago, a cachoeira, a terra seca, as pedras, as plantas, a chuva forte, o renascer do sol, o céu, o suor, as estrelas. Lembrei de coisas da infância, da adolescência em família.

> A arte que nos redime

Foram quatro dias de questionamentos sem respostas, quatro dias tomados de “não sei”. Na maluquice em que vivemos, sequer percebemos o peso e o valor da simplicidade. Como o menos pode ser muito mais. Como uma conversa de beira de rua – sem maneirismos, verdades e prepotências – pode ser tão valiosa quanto dias e dias de vida acadêmica.

> A felicidade nas leituras

O relato do amigo Giovanni Faria, em uma das andanças pelas cidades de Minas Gerais, é prova disso: “Encontro Pedro Bigode, 78 anos, 12 filhos e um paradoxo: torcedor do Atlético Mineiro com a camisa do rival Cruzeiro. ‘Pobre veste o que ganha e tem. O resto é bobagem’, Bigode me disse”.

> A barbárie, a desumanização, o horror

A profissão que abracei (acredito que aconteça o mesmo em outras) tem o que chamamos de “velho jornalista”. Aquele que já viu tudo na vida, para quem nada mais causa estranheza: o buraco na rua, as pessoas que dormem em barracas, a fome, o sorriso de uma criança, os horrores da guerra, o olhar da pessoa que amamos. Para eles, o “não sei” não existe mais. E que sentido faz uma vida sem curiosidade, sem o eterno desejo de perguntar, conhecer e aprender? “O oposto da vida não é a morte, é a indiferença”, disse o escritor judeu Elie Wiesel, sobrevivente dos campos de concentração nazistas e vencedor do Nobel da Paz de 1986.

> Leia outras colunas de César Seabra

É preciso humildade para reconhecer toda a nossa ignorância e arrogância. São necessários despojamento e desafetação para entender que o conhecimento, sempre, levará a eternas dúvidas. É essencial respeitar a força do “não sei”, conforme disse a poeta Wisława Szymborska: “É pequena, mas voa com asas poderosas. Expande nossa vida para incluir espaços que estão dentro de nós, bem como as vastidões exteriores em que a nossa minúscula Terra pende suspensa”.

Pra refletir:

Do poeta espanhol Luis García Montero:

O conhecimento é a melhor arma que podemos usar contra a mentira. E a cultura é a melhor defesa contra esse investimento em analfabetismo, contra o populismo e a demagogia.

Leia também:

> Cerveja de Blumenau é escolhida como a melhor do Brasil em 2022

> SC fica em 2º lugar no ranking nacional de vagas em janeiro

> Entenda os motivos da guerra entre Rússia e Ucrânia

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

Mais colunistas

    Mais colunistas