nsc
nsc

Opinião

Pastéis de Belém em um mundo diferente

Compartilhe

César
Por César Seabra
12/06/2021 - 06h00
coluna-cesar-seabra-12-06-2021
Morar em Lisboa, perto do Tejo, com direito aos saborosos pastéis de Belém, faz a gente pensar com muita seriedade (Foto: Arte de Ben Ami Scopinho)

Esta semana um clube de Portugal, Belenenses, fez uma proposta inusitada ao goleiro Buffon, campeão do mundo pela Itália em 2006. Na carta-convite dizia: “O contrato vai incluir ainda um pacote de seis pastéis de Belém por semana, uma das especialidades mais apreciadas da doçaria portuguesa, que irá certamente saborear sem alterar a sua dieta alimentar”. Simplesmente espetacular. Buffon é rico, famoso, multicampeão. E morar em Lisboa, perto do Tejo, com direito aos saborosos pastéis de Belém, faz a gente pensar com muita seriedade.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O mundo está aborrecido. O futebol é apenas um reflexo dessa chatice. Perdeu o romantismo, a inocência. Clubes pensam em negócios e verbas. Jogadores não estão nem aí para clubes, torcedores e seleções, pensam em dinheiro, publicidade e cliques nas redes sociais. A roda gira, acabou o amor.

Atletas e técnicos mostram-se alienados, como se o futebol fosse um outro mundo, como se o futebol tivesse uma ética totalmente diferente. Atletas e técnicos fazem questão de se mostrar ignorantes e apolíticos, como se nada na vida tivesse conotação política. Tudo na vida, minhas caras e meus caros, absolutamente tudo é política. Atletas e técnicos são capazes de divulgar um “manifesto”, pelas redes sociais, no qual sequer citam a Covid-19 e o número de mortes que a pandemia já causou no país. Atletas e técnicos de futebol realmente vivem em outro planeta, um planeta tomado por omissão, covardia, egoísmo, cegueira e falta de cidadania.

> Leia outras colunas de César Seabra

Sempre procuro ler Eduardo Galeano, escritor que morreu em Montevidéu aos 74 anos. Jogador frustrado, viciado em futebol, um dia Galeano escreveu: “O futebol continua a ser a mais importante paixão popular do mundo que ainda está agarrado a velhos preconceitos que esquerda e direita têm e compartilham sobre futebol. Para a direita, o futebol era a prova de que os pobres pensam com os pés; para a esquerda, o futebol era culpado pelas pessoas não pensarem”.

Nelson Rodrigues é outro mar em que sempre mergulho. Cronista, jornalista, romancista, teatrólogo, louco por futebol como o colega uruguaio, ele publicou: “Duzentas mil pessoas vendo o mesmo videoteipe hão de ter duzentas mil visões do mesmo lance. Assim é o homem, assim é o torcedor, assim é o videoteipe, assim é o futebol. Por isso a vida é engraçadíssima”. (Uma curiosidade: o que Nelson e Galeano diriam do VAR?)

> A lição de sensatez, a rede de contradições e a piada mundial

Hoje, mais do que ver futebol, uso minha energia para ler sobre o esporte que aprendi a amar. Boas biografias, boas entrevistas, os pensadores que veem e escrevem com inteligência e humanismo sobre o mundo da bola. Fui, sou e serei um apaixonado saudosista. Muitas vezes é preciso olhar o passado para enxergar o futuro. Mesmo que este futuro nos aponte para caminhos obscuros e nebulosos.

Pra refletir:

Do escritor uruguaio Eduardo Galeano:

Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.

Do escritor Nelson Rodrigues:

Em futebol, o pior cego é o que só vê a bola.

Do escritor Luiz Felipe Pondé:

Diante da histeria reinante do mundo, a consciência da nossa irrelevância pode ser um traço de rara lucidez.

Do escritor peruano Júlio Ramón Ribeiro:

A única maneira de continuar vivendo é manter serena a corda de nosso espírito, tenso o arco, apontando em direção ao futuro.

Do poeta galês Dylan Thomas:

A luz irrompe onde nenhum sol brilha.

Leia também:

> Mulher dá à luz 10 bebês e marido comemora: "Feliz e emocionado"

> O que você precisa saber sobre o auxílio emergencial de R$ 900 em SC

> Saque do FGTS 2021 emergencial está liberado? Veja o calendário

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

César Seabra

Colunista

César Seabra

As percepções sobre Santa Catarina, o Brasil e o mundo a partir do olhar do diretor de jornalismo da NSC Comunicação, César Seabra.

siga César Seabra

Mais colunistas

    Mais colunistas