publicidade

Navegue por
Dagmara

PERDA 

Construídos em Itajaí, módulos naufragados eram da última leva de encomendas da Petrobras

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
20/05/2019 - 11h56 - Atualizada em: 20/05/2019 - 14h28
Módulo que naufragou (Foto: Reprodução)
Módulo que naufragou (Foto: Reprodução)

A Petrobras ainda avalia a extensão do dano aos dois módulos de plataforma de petróleo, construídos em Itajaí, que estavam a caminho de um estaleiro no Espírito Santo quando naufragaram, no último sábado, a 100 quilômetros da costa de São Francisco do Sul.

Os módulos são para geração de energia e foram construídos em um estaleiro no terminal Teporti, numa das últimas encomendas feitas pela Petrobras durante o boom do pré-sal e da indústria naval. No Espírito Santo, seriam acoplados ao navio-plataforma FPSO P-71, que teve o casco construído na China depois que a empresa contratada inicialmente, no Rio Grande do Sul, foi citada pela Operação Lava Jato e teve o contrato cancelado.

A junção entre os módulos e o casco deveria ocorrer no primeiro semestre do ano que vem, no estaleiro Jurong, que fica na cidade de Aracruz (ES). A plataforma deve operar no campo de Sururu, na Bacia de Santos.

A Petrobras ainda não tem informações oficiais sobre a situação dos módulos, e se será possível recuperá-los. O que se sabe, até agora, é que eles estão parcialmente submersos, o que demanda uma operação de aviso aos navegantes, para que evitem se aproximar da área de naufrágio.

Os módulos estavam a bordo da barcaça Locar V, conduzida pelo rebocador TS Favorito. O incidente ocorreu na noite de sábado e havia oito tripulantes a bordo, mas ninguém se feriu. Como os módulos não estavam em operação, segundo a Marinha e a Petrobras não há risco de derramamento de óleo.

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos, que faz o acompanhamento ambiental da orla, não observou nenhuma mudança em relação à mortandade de animais desde o fim de semana – o que indica que não houve impacto.

A Marinha do Brasil instaurou inquérito administrativo para apurar causas, circunstâncias e responsabilidades em relação ao naufrágio.

A barcaça deixou o terminal portuário em Itajaí por volta das 17h, na última sexta-feira, sem auxílio da Praiticagem.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

dagmara.spautz@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação