publicidade

Navegue por
Dagmara

Obra do Estado

Entregue sem estar pronta, bacia de evolução de Itajaí já fez SC perder mais de R$ 16 milhões

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
13/05/2019 - 18h17 - Atualizada em: 15/05/2019 - 11h51
Foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo Pessoal
Foto: Luiz Carlos Souza, Arquivo Pessoal

Entregue pelo Estado sem condições de ser utilizada para a manobra dos navios, a bacia de evolução do Itajaí-Açu já representou uma perda de mais de R$ 16 milhões este ano à cadeia portuária de Santa Catarina. O valor corresponde somente ao que deixou de ser movimentado no Estado por um dos navios que faz parte da linha asiática, operada em Navegantes, e que desde o início do ano é desviado para outros terminais porque não há espaço para manobrar no Complexo Portuário.

A embarcação tem 336 metros, tamanho que os portos de Itajaí e Navegantes deveriam receber se a obra estivesse pronta. Em apenas oito escalas que deixaram de passar pela região, o navio deixou de movimentar 14 mil TEUs – medida que equivale a contêineres de 20 pés.

Na outra margem, em Itajaí, a APM Terminals perdeu todo um serviço de ligação para o Norte da Europa, com escalas semanais, porque o operador passou a usar navios maiores este ano. A empresa não informou a quantidade de contêineres movimentados pela linha, mas o prejuízo causado por apenas um navio que deixa de fazer escala em Navegantes mostra que o impacto é importante.

A obra da bacia de evolução - a área de manobras dos navios - considerada vital para a economia de SC, custou R$ 125 milhões e foi considerada entregue pelo Governo do Estado em abril. Em nota, o Deinfra informou que o volume de dragagem que estava no contrato feito com a empresa Triunfo foi cumprido, e que não foi possível alcançar os 14 metros de profundidade, como era esperado, porque a obra ficou parada durante o período de defeso do camarão, de março a maio do ano passado, o que teria causado assoreamento.

O fato é que, da maneira como foi entregue pelo Estado, a maior obra de infraestrutura feita nos últimos anos não tem condições de ser homologada pela Marinha para receber navios de 336 metros, que é o objetivo da empreitada. O trabalho sequer condiz com a infraestrutura prevista nos ensaios feitos pela praticagem em Roterdã, na Holanda, onde foram simuladas as manobras.

A Superintendência do Porto de Itajaí deve assumir os trabalhos para concluir a empreitada. O superintendente, Marcelo Salles, disse que ainda está em busca de parcerias para dar sequência à obra. A tendência é que os terminais privados ajudem a pagar a conta, que poderá custar algumas dezenas de milhões.

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação