nsc
    nsc

    publicidade

    Tráfico de armas

    Fuzis apreendidos em Navegantes abasteceriam facções criminosas e milícias

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    21/10/2019 - 17h12 - Atualizada em: 21/10/2019 - 17h55
    Fuzis apreendidos em Navegantes (foto: Receita Federal)
    Fuzis apreendidos em Navegantes (foto: Receita Federal)

    A Receita Federal suspeita que os 24 fuzis AR-15 desmontados, localizados na semana passada na Portonave, em Navegantes, abasteceriam facções criminosas ou milícias. Para o delegado da Receita em Santa Catarina, Daltro José Cardozo, tudo indica que depois que deixassem o porto seriam enviados para São Paulo ou Rio de Janeiro.

    O porto de onde saiu a carga, nos Estados Unidos, não foi divulgado. Mas o destino final dos contêineres era a cidade catarinense.

    Os fuzis são proibidos para uso civil no país, e esta é a primeira vez que um carregamento é localizado em um porto na região Sul. A estimativa é que as armas seriam vendidas por cerca de US$ 7 mil, algo em torno de R$ 20 mil no mercado ilegal.

    Os fuzis AR-15 já foram encaminhadas à perícia pela Polícia Federal (PF). O delegado Oscar Biffi, chefe da Delegacia da PF em Itajaí, disse que, além das armas, carregadores, miras e munições, também há peças de outros tipos de armamento. A perícia indicará se há mais armas do que o levantamento inicial, e quais são.

    A polícia investiga, agora, se houve participação do exportador e do importador da carga no tráfico de armas. As peças podem ter sido escondidas em meio às outras mercadorias de importação com ou sem consentimento dos donos.

    Migração

    O modal preferido pelos traficantes de armas, no Brasil, são os aeroportos. Elas costumam entrar em pequena quantidade, na bagagem de passageiros que tentam burlar a fiscalização. Para a Receita, a localização do carregamento em SC pode indicar uma diversificação no modelo de transporte.

    Sonegação

    O que a investigação terá que responder é por que foi escolhida uma carga com problemas de documentação – e portanto mais chances de cair na fiscalização – para o tráfico de armas. Os contêineres, que na declaração constava que continham vasos, estavam na verdade carregados com smartphones, suplementos alimentares e acessórios de grife. Mercadorias de valor bem mais alto do que os vasos. Esse é um tipo de fraude comum, usado para sonegar impostos.

    Leia também

    Exército define modelos de armas liberadas após decreto de Bolsonaro; veja a lista

    Taurus é condenada a pagar indenização à família de PM de SC morto por pistola com defeito

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade