publicidade

Navegue por
Dagmara

De Itajaí

Família procura catarinense que está desaparecida em Portugal

Compartilhe

Por Dagmara Spautz
11/01/2019 - 12h11 - Atualizada em: 11/01/2019 - 20h00
Rosineide Trindade de Oliveira, 31 anos, está desaparecida
Rosineide Trindade de Oliveira, 31 anos, está desaparecida (Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação)

A família da brasileira Rosineide Trindade de Oliveira, 31 anos, busca informações sobre seu paradeiro. Ela vivia em Itajaí até outubro do ano passado, quando se mudou para Portugal, e desde novembro ela não faz contato com familiares e amigos. O caso é acompanhado pelo Consulado do Brasil na cidade do Porto.

A rede de televisão portuguesa TVI publicou uma reportagem sobre o desaparecimento esta semana. De acordo com a reportagem, desde o dia 14 de novembro, quando Rosineide deixou o restaurante onde trabalhava, na região de Coimbra, não há notícias sobre seu paradeiro. Ela deixou todos os pertences no alojamento do trabalho, de onde teria sido dispensada.

Uma amiga teria registrado um boletim de ocorrência relatando o desaparecimento, em Portugal, no dia 20 de dezembro. Desde novembro o celular de Rosineide permanece desligado e ela não acessa as redes sociais.

O Ministério das Relações Exteriores informou em nota, nesta sexta-feira, que o Consulado-Geral do Brasil na cidade do Porto, próxima a Coimbra, "mantém contato com os familiares da cidadã para prestar a assistência consular cabível".

No entanto, Daiane Couto, sobrinha de Rosineide, diz que a família tem dificuldades para entrar em contato com o Consulado, e que não há novas informações.

Ao G1SC, ela disse que a tia havia saído do Paraná e morado dois anos em Itajaí, antes de partir para Portugal. A sobrinha relata que a TV portuguesa mostrou imagens de amigas abrindo a suposta mala que Rosineide teria deixado no alojamento. Havia bebidas e roupas que ela não costumava usar, o que leva a família a acreditar que os pertences não eram dela.

_ Nós nos falávamos quase todos os dias até ela desaparecer. Quando chegou em Portugal, estava em Moita, foi pra cuidar de uma senhora. Depois conseguiu o emprego no restaurante em Coimbra. O dono do restaurante foi buscar ela, ofereceu alojamento, mas depois ela desapareceu _ disse Daiane.

O Itamaraty não forneceu detalhes se acompanha as investigações do caso em Portugal.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação