nsc
    nsc

    Caixa

    União determina venda de imóveis em Santa Catarina; são mais de mil prédios e terrenos

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    02/07/2019 - 09h00 - Atualizada em: 02/07/2019 - 17h28

    A Secretaria de Patrimônio da União (SPU) pediu que a superintendência do órgão em Santa Catarina se manifeste sobre a possibilidade de venda de uma lista de imóveis que pertencem ao governo federal em todo o Estado. Recentemente, a unidade finalizou um levantamento, feito a pedido de Brasília, sobre os imóveis com possibilidade de serem liquidados para fazer girar o caixa do governo federal.

    A superintendência teria proposto vender um terreno de 3 mil metros quadrados em Capoeiras, na Capital, que pode alcançar cerca de R$ 4 milhões no mercado.

    O Ministério da Economia informou que está fazendo um levantamento e uma vistoria dos imóveis federais que estão desocupados não apenas em Santa Catarina, mas em todos demais estados. Em nota, afirmou que a intenção é identificar onde estão os imóveis que de fato não têm uso, e definir estratégias para destinação de cada um, considerando a determinação de racionalizar custos. O governo determinou redução de gastos com aluguéis e a venda de ativos com valor de mercado (caso do terreno na Capital).

    A União tem hoje cerca de mil imóveis catalogados em Santa Catarina – são muitos prédios públicos em uso, com lista de espera de órgãos que aguardam um novo espaço. Quando um órgão deixa a sede, há outro pronto para ocupar seu lugar. Mas há também muitas áreas rurais e de preservação permanente, especialmente na região Norte do Estado.

    Rede ferroviária

    Na lista de imóveis que pertencem à União em Santa Catarina há ainda uma lista de terrenos praticamente desconhecidos, que fazem parte do patrimônio da antiga Rede Ferroviária Federal e estão espalhados por todo o Estado. O inventário começou em 2007 e foi finalizado recentemente, mas os imóveis ainda precisam ser identificados – há muitas áreas ocupadas ao longo do caminho, que demandam regularização.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas