nsc
    nsc

    Guarda-vidas

    Vandalismo nas praias custa R$ 300 mil ao ano em Santa Catarina

    Compartilhe

    Dagmara
    Por Dagmara Spautz
    12/11/2019 - 10h20
    Placa destruída em Balneário Camboriú (foto: Divulgação)
    Placa destruída em Balneário Camboriú (foto: Divulgação)

    Placas que indicam local perigoso para banho, com presença de corrente de retorno - o perigoso "repuxo" - em Balneário Camboriú foram encontradas pelos guarda-vidas queimadas. É o retrato de um problema crônico nas praias catarinenses. Só no ano passado, o vandalismo em postos guarda-vidas e com material de sinalização custou aos Bombeiros R$ 329 mil.

    A média de gastos anuais se mantém. A cada temporada, os Bombeiros reformam postos que foram queimados, depredados e pichados ao longo da orla.

    Uma das alternativas para reduzir os custos de manutenção é a instalação de postos contêineres, que foram testados pela primeira vez em Itajaí e Navegantes. O comandante regional dos Bombeiros, coronel Cesar Nunes, diz que o modelo funciona porque é resistente à depredação - ainda que esteja sujeito às pichações.

    Cada posto contêiner custa em torno de R$ 20 mil ao Estado. Já são 18 espalhados pela costa, mas é pouco provável que o modelo substitua todos os postos no futuro. Os Bombeiros consideram que cada praia tem características e demandas diferentes, por isso trabalham com mais de um tipo de estrutura .

    Ativação

    Os postos guarda-vidas estão sendo ativados gradativamente até o início da alta temporada. Este verão os Bombeiros terão até 1,3 mil guarda-vidas trabalhando nas praias, nos dias de maior movimento. O investimento no trabalho de prevenção, para este ano, é de R$ 15 milhões.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas