nsc
nsc

publicidade

Economia

Acompanhamento do Cadastro Positivo começará em setembro

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
26/08/2019 - 04h25 - Atualizada em: 26/08/2019 - 04h22

A partir do dia 9 de setembro, os milhões de brasileiros que integram Cadastro Positivo poderão começar a acompanhar as suas notas de crédito (score, na sigla em inglês), que formarão o ranking de bons pagadores numa pontuação de zero a mil. Também terão até 9 de setembro para pedir para excluir o nome nesse cadastro que há cerca de um mês foi totalmente regulamentado pelo Banco Central e que inclui todos os consumidores, diferente daquele de 2011 que era optativo.

Um dos mais entusiastas dos efeitos positivos desse cadastro é o presidente do SPC Brasil, Serviço de Proteção ao Crédito, o empresário catarinense Roque Pellizzaro Junior. Ele recomenda aos consumidores manter o nome no cadastro positivo, pagar as contas em dia porque quem fizer isso, terá vantagens em financiamentos, tanto de bancos tradicionais como das novas instituições financeiras digitais, entre as quais as fintechs.

A dica do presidente do SPC aos consumidores é acompanhar o score de crédito, que será um serviço gratuito.

— Quanto maior o score menos juros a pessoa vai pagar. Eu, por exemplo, que entrei antes no Cadastro Positivo, já tenho a minha pontuação e acompanho. O meu score é 870 e a probabilidade de eu não pagar uma conta é de 3%. A menor probabilidade que existe de não pagar é 1% - afirma Pellizzaro.

Para ele, o mercado brasileiro de crédito ficará parecido com o dos Estados Unidos, onde esse sistema é muito usado e valorizado. Para dar uma ideia das diferenças significativas para financiar bens de alto valor, o empresário cita um exemplo americano. Um consumidor de lá com score de 800, paga 17% ao ano de juro para comprar um automóvel. E um consumidor com score 850, tem taxa de juro anual de apenas 4,5%, portanto muito menor.

— É por isso que nos EUA as pessoas fazem questão de manter todas as contas em dia – alerta o empresário.

No Brasil, boa parte dos consumidores, até agora, não se importava em atrasar uma conta. No caso de Santa Catarina, por exemplo, a última pesquisa da Fecomércio sobre endividamento e inadimplência do consumidor (PEIC), de julho, apurou 17,9% das pessoas endividadas tinham contas em atraso.

Contas sob controle

Para não gastar mais do que pode e levar as contas controladas visando uma boa pontuação (score) no Cadastro Positivo, o consumidor precisa deixar o comodismo de lado e anotar todas as receitas e despesas. Isso pode ser feito tanto num caderninho, num sistema digital ou de outra forma. Mas o controle dos números é fundamental. Outro passo importante é formar uma reserva de emergência para eventuais despesas inesperadas como gastos com saúde, conserto de automóvel, da casa e outros.

Com fintechs

Como o consumidor terá essa nota pessoal de crédito, que poderá abrir somente para quem ele quiser, os custos com juros vão cair em função disso, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Júnior. Antes, só um banco tinha o histórico de pagador de um cliente. Agora, esse cliente levará a sua nota e poderá abrir seu histórico para outras instituições, até para fintechs. Isso vai gerar concorrência e reduzir os juros ao consumidor.

Mais para poupar

Se o consumidor fosse mais atento sobre quanto paga de juros, poderia evitar dívidas, especialmente de cartão de crédito ou cheque especial e, assim, sobrar mais dinheiro para consumir ou poupar. Esse controle rígido de contas para se adequar ao Cadastro Positivo será bom também nesse aspecto. Vale lembrar que 75% dos consumidores brasileiros têm dívidas com cartões de crédito, o que implica descontrole e desconhecimento dos juros altíssimos nessa modalidade.

Dica aos jovens

O presidente do SPC, Roque Pellizzaro, dá um conselho aos jovens: cuide bem do seu score. Isto porque são eles que querem investir num negócio próprio, comprar o primeiro imóvel, o primeiro automóvel ou financiar uma viagem. Quanto maior a pontuação score, menores serão os juros. Então, num contrato longo, como o de um imóvel, as diferenças de juros serão expressivas.

Deixe seu comentário:

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Últimas do colunista

Loading interface...
Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

publicidade

publicidade

Mais colunistas

    publicidade

    publicidade

    Mais colunistas