nsc
nsc

Nova cultura em SC

Como a Ambev incentiva o plantio de lúpulo em Santa Catarina

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
24/05/2022 - 15h41
Plantio de lúpulo em Lages, na Serra catarinense
Plantio de lúpulo em Lages, na Serra catarinense (Foto: Ambev, divulgação)

Um dos maiores consumidores de cerveja do mundo, o Brasil tem potencial, também, para produzir o lúpulo, planta cuja flor dá aquele amargor característico da bebida. Por Lages ter ecossistema favorável, a Ambev escolheu o município para desenvolver projeto pioneiro da cultura no país. O começo foi em 2020, já são 16 produtores participando e a primeira colheita na Fazenda Santa Catarina foi este ano. Agora, com apoio da Epagri e da Universidade do Estado de SC (Udesc), a empresa define padrões produtivos para disseminar a produção no Estado.

Receba notícias do DC via Telegram

Segundo Felipe Sommer, coordenador de Projetos Especiais da Ambev, a companhia escolheu SC para essa iniciativa no Brasil porque identificou que já existia um número significativo de produtores. Assim, foi possível avaliar as principais dificuldades para o desenvolvimento do ecossistema como um todo. O foco principal do projeto é proporcionar uma nova opção de produção com valor agregado para agricultores.

- Iniciamos com a doação de mudas, oferecemos assistência técnica em parceria com a Epagri, demos acesso a todo o conhecimento que produzimos em conjunto com as pesquisas da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), facilitamos acesso ao crédito e oferecemos um contrato de compra. Hoje já são 16 produtores que abrangem 25 hectares plantados – detalha o executivo.

Felipe Sommer destaca que, além das questões técnicas de produção, para ter o lúpulo comercial é preciso ter o beneficiamento que inlcui remover a flor (cone) da planta, secar, triturar, peletizar e embalar à vácuo. Por isso a Ambev construiu uma planta de beneficiamento na Fazenda SC, em Lages, para fazer esse processo. Por enquanto, a produção vai para cervejarias artesanais de Santa Catarina, que estão podendo oferecer o produto com ingrediente totalmente nacional.

A engenheira-agrônoma da Ambev, Mariana Mendes Fagherazzi, explica que como a cultura é recente no Brasil, a empresa vem fazendo esse trabalho juntamente com a Epagri, a Udesc e outros parceiros para entender as necessidades de adaptação da planta. Essa fase envolve desde protocolos de adubação e manejo, testes de variedades, de produtos alternativos e até uso de suplementação luminosa.

- Para isso, contamos com toda a expertise da Ambev no cultivo de lúpulo em outros países, como Argentina, Estados Unidos e Alemanha – afirma Marina Fagherazzi.

Atualmente, os EUA são os maiores produtores de lúpulo do mundo e desenvolveram essa cultura agrícola principalmente para atender cervejarias artesanais.

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas