nsc
    nsc

    Redução de custos

    Coronavírus: Governo federal corta em 50% a contribuição das empresas ao Sistema S 

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    01/04/2020 - 18h43 - Atualizada em: 02/04/2020 - 08h53
    Mesa Brasil é um dos programas da Fecomércio que podem ser afetados Foto:Fecomércio, Divulgaçã
    Mesa Brasil é um dos programas da Fecomércio que podem ser afetados Foto:Fecomércio, Divulgação

    O ministro da Economia, Paulo Guedes, aproveitou a pandemia para cortar, sem discussões, a contribuição das empresas ao Sistema S em 50%. A medida, que era defendida por ele já antes de tomar posse na pasta, reduz receita do Sesc e Senac (comércio e serviços), Sesi e Senai (indústrias), Sescoop (setor cooperativo), Sest e Senat (transporte e Senar (agropecuária). A MP do corte foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União desta terça-feira (31-03). No ano passado, o sistema arrecadou quase R$ 18 bilhões. O corte anunciado vai resultar numa redução de custo para empresas de pouco mais de R$ 2 bilhões. A redução da receita do sistema não é tão elevada porque outras receitas são mais importantes.

    A primeira entidade catarinense a criticar a medida foi a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-SC). Estimativa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) aponta que Santa Catarina será um dos Estados mais atingidos. Poderá ter 28 unidades do Sesc e Senac fechadas, com reflexos no atendimento da população em todo o Estado.

    -É inegável que estamos diante de uma crise que tende a ser a maior da nossa história recente. Compreendemos e apoiamos o conjunto de medidas que o Governo Federal vem anunciando ao longo dos dias, mas ainda consideramos insuficientes diante da dimensão do prejuízo econômico ao nosso setor. Não podemos deixar de questionar se essa medida é capaz de socorrer o país dessa crise. Porém, o custo social para a nossa sociedade será alto. O Sesc e o Senac têm um papel fundamental na qualificação dos profissionais e na qualidade de vida dos trabalhadores do setor terciário – explicou Bruno Breithaupt, presidente do Sistema Fecomércio SC Sesc Senac, conforme comunicado divulgado pela entidade.

    Segundo ele, o valor que deixará de ser arrecadado não vai tirar o país da crise, mas terá impactos sociais gigantes. Em algumas cidades, o Sesc e o Senac atua na função do setor público, oferecendo atendimento básico para a população.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas