nsc
    nsc

    Novos equipamentos

    Empresas doam mais de 5 mil concentradores de oxigênio ao SUS para tratar Covid

    Compartilhe

    Estela
    Por Estela Benetti
    07/04/2021 - 15h38 - Atualizada em: 07/04/2021 - 15h42
    Concentradores de oxigênio chegam em Guarulhos
    Concentradores de oxigênio chegam em Guarulhos (Foto: Mayna Ruggiero, Ministério da Economia, Divulgação)

    Diante da demanda exponencial de oxigênio para tratar Covid-19 no sistema de saúde, a Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia e o Ministério da Saúde fizeram uma ação coordenada de solicitação de ajuda ao setor privado e foram atendidos. Grupo de 12 empresas está importando 5.133 concentradores de oxigênio para serem distribuídos em diversas cidades do país pelo SUS e, assim, evitar a sobrecarga de demanda nos hospitais. Nesta quarta-feira, chegaram 1.899 unidades no Aeroporto de Guarulhos e todas unidades chegarão ao país até o dia 14 deste mês.

    "Não vai ter lockdown nacional", diz Bolsonaro em Chapecó

    Essa é uma das ações do Plano Oxigênio Brasil para que não falte o insumo aos doentes. O investimento somou R$ 35 milhões e contou com doações do Brasdesco, BRF, B3, Embraer, Gerdau, Grupo Ultra, Itaú Unibanco, Magazine Luiza, Marfrig, Natura, Suzano e Unipar. Quem está fazendo a importação é a Air Liquide Brasil, uma das líderes mundiais em gases, tecnologias e serviços para o setor de saúde. A distribuição ficará a cargo do SUS. Ainda não há informação sobre quando e como os equipamentos serão enviados para as cidades que necessitam desses equipamentos.  

    Bolsonaro em Chapecó cita novo remédio, não fala em vacina e volta a defender tratamento precoce

    Pelas projeções do Ministério da Saúde, esses equipamentos poderão atender mensalmente de 10 mil a 20 mil pacientes. Cada um substitui cerca de 21 cilindros de oxigênio. Como são produtos leves – pesam cerca de 15 quilos – e fáceis de usar, a expectativa é de que possam atender até as mais remotas comunidades do interior. Um aparelho desses tem duração de sete anos, em média. O Ministério da Saúde não informou ainda que critérios usará para fazer a distribuição.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas