nsc
nsc

Entrevista

“Mulheres tendem a ter mais visão de longo prazo quando investem”, diz empresária

Compartilhe

Estela
Por Estela Benetti
21/06/2019 - 05h05
Arquivo Pessoal
(Foto: )

A empresária Annalisa Dal Zotto, fundadora e diretora da Par Mais Investimentos Financeiros, fez palestra segunda-feira no evento Portas Abertas do Mulheres do Brasil sobre “A Alma feminina nas finanças”. Antes da palestra ela falou com a coluna. Confira:

Onde as mulheres mais erram e mais acertam na gestão de finanças pessoais?

O principal erro que a maioria comete é delegar para os homens as decisões sobre finanças pessoais. Quando elas se especializam em gestão de recursos não há diferença em relação aos homens. Elas acabam assumindo grau de risco e estratégias semelhantes. Mas as não especialistas têm características legais que poderiam fazer delas grandes investidoras. As mulheres tendem a ter mais visão de longo prazo quando investem, são mais calmas e conservadoras, não ficam toda hora querendo mudar a carteira de ações. Quando a esmola é muito grande elas desconfiam mais, se aprofundam mais para tomar decisão de investimentos. Mas como não é ensinada gestão financeira nas escolas, as mulheres se sentem inseguras e acabam delegando para os homens essa função.  

Em que mais elas se destacam no longo prazo?

Temos na Par Mais uma consultoria em finanças pessoais. Vemos que a mulher começa a planejar sua aposentadoria aos 35 anos. No movimento Mulheres do Brasil, vemos que as que atuam na política focam mais em saúde e educação, que são investimentos de longo prazo. Esse longo prazo também faz com que elas sejam menos suscetíveis à corrupção.

A infidelidade financeira é um problema importante?

Sim. É a segunda causa de separações no mundo. O primeiro é a infidelidade clássica. Infidelidade financeira é fazer gastos, ter dinheiro, ter patrimônio, fazer dívidas e não contar para o seu parceiro (a). Isso não funciona. Casamento é sociedade. Os casais precisam se alinhar e ter objetivos comuns. O certo é cada um ter um orçamento para fazer o que quiser. Não tem como uma sociedade prosperar se um sócio esconde receita ou despesa do outro.

Como a maioria das mulheres chega em serviço especializado de finanças?

A maioria das nossas clientes investidoras procurara a empresa por sugestão de filho, marido, pai, tio e até do ex-marido, ou seja, por um homem que elas confiam. Por isso gosto de falar sobre o tema para mulheres. Quando elas aprendem, dominam, tendem a fazer bons negócios, têm foco, perseguem o longo prazo.

Leia também: Líder do Mulheres do Brasil em Floripa palestra sobre “a alma feminina nas finanças”

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Estela Benetti

Colunista

Estela Benetti

Especialista na economia de Santa Catarina, traduz as decisões mais relevantes do mercado, faz análises e antecipa tendências que afetam a vida de empresários, governos e consumidores.

siga Estela Benetti

Mais colunistas

    Mais colunistas