nsc
    nsc

    Pedido

    A reclamação da Chapecoense para anular a partida

    Compartilhe

    Faraco
    Por Faraco
    23/04/2019 - 06h45 - Atualizada em: 23/04/2019 - 06h44
    Penalidade de Bruno Pacheco e a polêmica da bola. Foto: Frederico Tadeu/Avaí FC
    Penalidade de Bruno Pacheco e a polêmica da bola. Foto: Frederico Tadeu/Avaí FC

    A Chapecoense tem o direito de se sentir prejudicada pela forma como terminou a disputa, o que é diferente de ter razão. O jogo não foi encerrado pela invasão dos torcedores. Houve o procedimento normal de checagem do último pênalti, com a revisão do VAR, e até mesmo as pessoas que invadiram o campo acabaram aguardando uma decisão. Depois da checagem, começou a festa do torcedor, que, é verdade, não deveria ter invadido.

    Sobre o procedimento do VAR, não há o que contestar. O protocolo foi seguido e, como não houve uma imagem definidora, a marcação de campo não foi alterada. É claro que há uma grande irregularidade na invasão e o Avaí terá que responder por isso. Mas é uma outra questão, que deve ter a sua denúncia e também julgamento. Anular o resultado do campeonato não parece ser algo real, mesmo que a Chape tenha direito.

    Repercussão nacional

    O lance da decisão Catarinense foi discutido em vários programas nacionais, em várias mesas redondas, e por muitos ex-árbitros que atualmente são comentaristas. Ninguém conseguiu cravar que a bola entrou ou que a bola não entrou. A maioria percebe que a parte da bola que tocou o chão, tocou dentro do gol. Mas quando a pergunta foi sobre a circunferência da bola, se estava toda para dentro do gol, ninguém soube precisar. E todos concordaram que o procedimento foi correto, com o VAR e a manutenção da marcação de campo, seguindo o protocolo, que determina que não pode haver alteração da marcação de campo sem que haja uma certeza na cabine.

    É realmente difícil de analisar, assim como é difícil fazer o torcedor, em geral, entender que uma bola tocar dentro do gol no chão e não ter cruzado integralmente a linha de gol. Mas a regra é assim. Tem que cruzar toda a linha. Talvez o que tenha ocorrido no lance tenha sido realmente isso: a bola teria tocado o chão dentro do gol, mas sem cruzar a linha.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas