nsc
    nsc

    Acordos em cada clube

    Presidente do Avaí explica medidas tomadas por clubes da Série B

    Compartilhe

    Faraco
    Por Faraco
    27/03/2020 - 15h42 - Atualizada em: 27/03/2020 - 15h54
    Amaro Lúcio da Silva, presidente em exercício do Avaí(ao fundo) tem participado das videoconferências com a CBF (Frederico Tadeu/Avaí FC)
    Amaro Lúcio da Silva, presidente em exercício do Avaí(ao fundo) tem participado das videoconferências com a CBF (Frederico Tadeu/Avaí FC)

    Apesar de um alinhamento conjunto dos clubes da Série B em relação às férias de 20 dias, à suspensão do contrato de imagem, e à redução dos salários dos atletas em 25% a partir do retorno das férias se não houver futebol, cada clube deve fazer internamente um acerto, um acordo, com os jogadores.

    A explicação foi dada pelo presidente em exercício do Avaí, Amaro Lúcio da Silva, em entrevista ao Debate Diário desta sexta-feira.

    “Cada clube vai negociar com os seus jogadores e vai definir o que for melhor”.

    Mesmo assim há realmente a possibilidade de cortes na proporção estabelecida pelo acerto coletivo entre os clubes. Tudo depende do prazo para a solução dos problemas causados pelo coronavírus.

    “A questão dos 25% poderá... mas se persistir a paralisação após as férias. Assim como o contrato de imagem”.

    Opinião

    Negociar é o mais correto.

    Já há algumas iniciativas, como a do Fortaleza, que chegou a um acordo específico com seus funcionários e atletas. O São Paulo já acenou com a mesma linha de condução do problema. Como escrevi aqui esta semana, cada clube tem sua realidade e também os atletas têm condições totalmente diferentes.

    A questão das férias foi um acerto. Não há como esperar. Antecipar as férias possibilita usar o mês de dezembro para amenizar os impactos no calendário.

    Mas o restante é preciso esperar e entender o que vai ocorrer e como pode ser resolvido.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas