publicidade

Loetz

Economia

Ordem na joinvilense Tigre é regenerar o negócio

Compartilhe

Por Loetz
06/08/2019 - 21h12 - Atualizada em: 06/08/2019 - 21h12
(Foto: Leo Munhoz / Agência RBS)

O presidente da Tigre, Otto von Sothen, recentemente falou a jovens empresários, na Acij. Para ele está claro que em dez anos “teremos produtos iguais aos nossos sendo produzidos em impressora 3D”. Por isso mesmo, no dizer do executivo, é fundamental, sempre, “regenerar o negócio e, ao mesmo tempo, gerar novos negócios”. 

Otto ainda afirmou ser necessário “mudar radicalmente” o modelo. E isso se faz construindo em cima de duas fortalezas: os produtos e a marca da companhia. Reafirmou que o propósito da Tigre é a condução e conservação de água. Lembrou, ainda, sobre a importância de se estimular o intra empreendedorismo na organização. 

No plano gerencial, em busca de resultados, repete o mantra entoado por todos: “a indústria quer mais produtividade e custos menores”.

Marketplace

A Tigre anuncia sua entrada na plataforma de marketplace da Juntos Somos Mais, empresa fundada pela companhia em 2018, ao lado de Gerdau e Votorantim, e que funciona como um programa de benefícios para lojistas, seus vendedores e profissionais da obra. O marketplace faturou, nos últimos 12 meses, R$ 6,7 bilhões. A projeção é movimentar R$ 10 bilhões até 2021. As três sócias já investiram na Juntos Somos Mais, até o momento, R$ 30 milhões, e a projeção é aplicar mais R$ 50 milhões, até 2020, no desenvolvimento da companhia.

Combustível de aviação

Lideranças joinvilenses festejam o retorno do voo diário entre os aeroportos de Joinville e de Guarulhos. É uma boa notícia, claro, mas, ainda é insuficiente. Joinville continua pedindo voos para Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília e Belo Horizonte. Nesta perspectiva, o governo do Estado tem projeto de lei que pretende atrair mais companhias aéreas e voos para cidades catarinenses. O texto trata de política tributária sobre combustível de aviação. O secretário municipal Jalmei Duarte analisou os artigos e conclui: “o texto dá vantagens tributárias às companhias e são elas que vão decidir onde querem incrementar o número de voos e destinos.” Isso significa que voltamos à antiga questão: é preciso Joinville colocar ainda mais passageiros nos voos que decolam do aeroporto local. 

Sustentabilidade

Na Fiesc, Milton Mondardo, gerente de sustentabilidade da Whirlpool na América Latina, apresentou as estratégias de sustentabilidade da empresa que quer zerar o resíduo industrial para aterro até 2022. A companhia emprega 92 mil pessoas no mundo, sendo 17 mil nas fábricas brasileiras. As ações voltadas ao tema também se intensificaram, segundo Mondardo, por conta da nova gestão, que tem à frente dos negócios o alemão Marc Bitzer. A empresa mantém uma casa de pesquisas nos Estados Unidos (Reneww House) com foco na autossuficiência. As unidades fabris também priorizam os cuidados com a água, optando por alternativas como o reuso de água e o aproveitamento da água da chuva, e com fontes de energias renováveis: as fábricas da Índia e da China, por exemplo, operam com fontes de energia solar. 

Curtas

Fora da política

A delegada regional da polícia civil de Joinville, Tânia Harada, é categórica diante das especulações políticas em torno de seu nome: “não serei candidata a nenhum cargo e não vou compor chapa para as eleições da prefeitura de Joinville em 2020”.

Otimismo 

Em tempos de liquidações por toda parte, a CDL de Joinville estima aumento de 4% nas vendas do Dia dos Pais neste ano em comparação com o ano passado.

Deixe seu comentário:

publicidade