publicidade

Navegue por
Loetz

Oportunidade

Pelo menos 660 vagas de trabalho estão abertas em Joinville

Compartilhe

Por Loetz
23/04/2019 - 04h15 - Atualizada em: 23/04/2019 - 04h15
(Foto: Marcelo Casagrande)

O mercado de trabalho está mais ativo em Joinville. Pelo menos 660 vagas de trabalho estão disponíveis em diferentes empresas e órgãos de seleção e recrutamento de mão-de-obra. Só na RH Brasil há 210 vagas de emprego em aberto para colocação imediata, à espera de candidatos aptos a preencherem os postos. 

Num dos casos, empresa terceirizada que faz serviços de manutenção para a indústria metalúrgica tem 150 vagas disponíveis para atividades operacionais (ajudante de eletricista, ajudante de mecânico), e outras, como soldador, supervisor de caldeiraria, técnico em segurança do trabalho, por exemplo. Uma outra companhia, com 60 com vagas a serem preenchidas, atende multinacional com unidade em Joinville, e busca trabalhadores para ocuparem funções na área de expedição, como operador de empilhadeira, operador de logística. Na soma, as duas empresas contratantes tinham aberto 480 vagas, mas grande parte já foi fechada.

E tem mais. O Hospital Geral de Joinville, do grupo nordestino HapVida, que se instalou na cidade neste mês, recentemente contratou 380 postos de trabalho — desde operacionais até cargos de direção. Mais ainda: no Cepat, órgão da prefeitura de Joinville, responsável pela triagem de pessoas em busca de emprego, há 300 vagas de trabalho a serem preenchidas.

E no Sine hoje há 158 vagas ofertadas. Todas operacionais com predominância nas áreas de limpeza e segurança, construção civil e hotelaria. Nos dois últimos anos — em 2017 e em 2018 — Joinville tem sido destaque nacional, figurando no topo das cidades que mais geram empregos no país.

Análise e tendências

Profissionais de recrutamento de trabalhadores concordam: 2018 foi um ano bom, de forte recuperação no nível de emprego na cidade; e 2019 iniciou com boas perspectivas, ainda não concretizadas plenamente.A razão é que os empresários puxaram o freio de mão depois das incertezas geradas pelas confusões no começo do governo Bolsonaro. Agora, joga-se a paralisia da economia nacional na conta da demora na aprovação do projeto de reforma da Previdência. Gente bem articulada e minimamente informada sobre bastidores do Congresso não tem o direito de ser ingênuo, a ponto de supor que algo tão polêmico e transformador seja votado e aprovado em três meses.

Deixe seu comentário:

Cláudio Loetz

Loetz

Loetz

Claudio Loetz é um dos mais renomados colunistas de economia do Sul do Brasil. Com textos analíticos e informativos, é a principal fonte de informação para os interessados em negócios em Joinville e região.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação