nsc
    nsc

    Análise

    "Todos querem a reforma tributária, mas só para os outros", diz economista

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    22/10/2020 - 11h08
    Marcos Lisboa em palestra para câmaras setoriais da Fiesc
    Marcos Lisboa em palestra para câmaras setoriais da Fiesc (Foto: Fiesc, Divulgação)

    - A reforma tributária enfrenta resistências no Brasil inclusive por setores econômicos que observam benefícios tributários que têm, mas não veem o imposto oculto que pagam.

    A afirmação é do economista Marcos Lisboa, presidente do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda de 2003 a 2005. Ele participou de reunião online conjunta da Câmara de Assuntos Tributários e do Conselho de Economia da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

    - Cada setor da economia conhece os benefícios tributários que possui, mas não confia na possível redução dos preços de insumos; então todos querem a reforma para os outros, mas não para o seu setor - disse o economista.

    Lisboa salientou que, além de complexo e elevado, o sistema tributário brasileiro induz à preservação de empresas, setores ou atividades ineficientes, afetando a competitividade do Brasil em âmbito internacional.

    Marcos Lisboa defendeu o imposto sobre valor agregado, com alíquota única e aplicado ao consumo ,em um modelo simples de cálculo, em que a empresa soma o valor de suas vendas e deduz o das compras.

    > Vendas online em supermercados dobraram no Brasil durante a pandemia

    Na opinião dele, esse modelo não distorce preços relativos (o preço de um bem em relação aos demais), o que ele considera fundamental para o país voltar a crescer. O economista destacou que a reforma tributária enfrentará dificuldades de caráter técnico e de caráter político. O aspecto técnico envolve a complexidade do sistema atual.

    - O nível de distorção é assustador, ninguém sabe quantos regimes especiais existem hoje; por isso, é importante um período de transição suave, em que setores e empresas vão se ajustando. Já o aspecto político está associado às resistências de segmentos que percebem seus benefícios, mas não acreditam na redução geral dos custos a partir da reforma.

    > Santa Catarina detém quase 10% das startups de logística do país, aponta estudo

    O debate teve a participação dos empresários Carlos Rodolfo Schneider (presidente do grupo H. Carlos Schneider), José Carlos Sprícigo (presidente da Librelato Implementos Rodoviários) e José Altino Comper (presidente da Círculo), além do economista e professor da Universidade Federal de Santa Catarina Pablo Bittencourt, e dos presidentes da Câmara de Assuntos Tributários e do Conselho de Economia, respectivamente Evair Oenning e Alfredo Piotrovski.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas