nsc
    nsc

    Energias renováveis

    WEG cresce nos Estados Unidos

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    14/01/2020 - 07h25 - Atualizada em: 14/01/2020 - 07h21

    A WEG cresce no mercado de energias renováveis nos Estados Unidos aumentando sua receita com soluções para geração de energia solar e eólica e conquistando cada vez mais espaço nos principais mercados globais. Nos Estados Unidos, o carvão vem perdendo espaço significativo para fontes de energias mais sustentáveis, e é neste embalo que a companhia de Jaraguá do Sul tem conseguido visualizar grandes oportunidades.

    Desde 2017, a WEG vem investindo fortemente em suas fábricas de transformadores do México e EUA, visando o crescimento do mercado de energias solar e eólico na América do Norte. As duas unidades têm produzido mais de 2 mil transformadores por ano dedicados a este mercado e conquistado muitos clientes e investidores nos Estados Unidos e Canadá.

    - É importante destacar que não estamos falando somente de transformadores elevadores 34,5 kV para aerogeradores ou inversores solares, mas também, de transformadores de potência nas classes de tensão de 138 a 500 kV, com potências até 300 MVA. Isto vem mudando o panorama de participação WEG no mercado de energias renováveis, atingindo não somente o mercado de geração e distribuição de energia, como também a transmissão. Assim, estamos nos posicionando como um dos principais players deste mercado crescente de geração de energia limpa na América do Norte”explica Carlos Diether Prinz, diretor superintendente da WEG T&D.

    Com duas fábricas especializadas em serviços de montagem, supervisão e comissionamento de transformadores de distribuição e de força de até 60 MVA - 161 kV, em Washington, no estado de Missouri, nos Estados Unidos e outras duas unidades produtoras de transformadores no México, a WEG está bem posicionada para capitalizar o setor de energias renováveis e já regista uma boa carteira de pedidos até 2024 nos Estados Unidos.

    Em parte, a ampliação de negócios decorre de incentivos do governo norte-americano e um modelo de negócios baseado no crédito de imposto sobre a produção e no crédito de imposto sobre o investimento.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas