nsc
    nsc

    publicidade

    Cotidiano

    Do que você se arrepende quando treme o avião?

    Compartilhe

    Marcos
    Por Marcos Piangers
    08/11/2019 - 17h00
    Leo Munhoz, BD

    Não há igreja mais fervorosa do que um avião no céu em dia de turbulência. O balançar da aeronave começa com um solavanco, alguém diz “upa!”, o colega ao lado sorri nervoso. Depois vem mais um chacoalhão. As pessoas começam a conversar alto. Um passageiro sempre começa a rir. Mais um chacoalhão, as luzes de atar o cinto se acendem. A aeromoça passa correndo. Seguramos o apoio da poltrona com força. Nossa testa começa a suar. Lá fora nuvens esbarram na lataria do avião. Luzes piscam na noite chuvosa. Olhamos curiosos pela janela. Será hoje o dia?

    Do que me arrependo quando treme o avião? De não ter caminhado mais na praia. De ter conversado no telefone com a minha mãe com pressa demais. De não ter visto mais meus amigos de infância. De não ter realizado o sonho de morar no exterior. De não ter aprendido a tocar piano. De não ter ficado amigo de gente que admiro. Gostaria de ter me despedido das minhas filhas. Dizer que tudo ficará bem. Dizer que espero que sejam fortes. Dizer que eu gostaria de mais um minuto abraçado com elas.

    Me faltou tempo. Quando fiquei em um trabalho que odiava. Quando fiz coisas por dinheiro. Quando achei que não tinha mais tempo para mudar. Devia ter mudado. Eu tinha tempo! A coisa mais importante, aquela que não percebemos quando está se indo.

    Tempo. Se eu soubesse que seria hoje teria valorizado mais os domingos, os sábados, as férias, os feriados. Teria trabalhado equilibradamente. Perderia menos tempo com a TV, apagaria as redes sociais. Aproveitaria mais a vida, o sol, o vento. Conversaria mais. Daria mais risada.

    Um solavanco final. Plim. As luzes de atar cintos se apagam. A senhora que rezava ao lado faz o sinal da cruz. Passageiros respiram aliviados. Seco o suor com um guardanapo. O serviço de bordo distribui águas. Todos comentam algo, que susto, isso nunca tinha me acontecido, meu deus que alivio. O capitão avisa que estamos em procedimento de pouso.

    Em mais vinte minutos chegaremos ao destino. Chegaremos com calma. Novas pessoas desembarcarão. Ligaremos para nossos afetos, demoradamente. Demoradamente. Tudo o que temos é uns aos outros. 

    ​Leia outras colunas do Piangers.

    Deixe seu comentário:

    publicidade