nsc
nsc

Crônica

Seja homem

Compartilhe

Marcos
Por Marcos Piangers
16/07/2021 - 15h22
Seja homem
Quando você reconhece que não é perfeito e que precisa de ajuda, isso é ser homem (Foto: Unsplash)

Talvez você tenha ouvido do seu pai ou avô ou conhecido: homem não chora. Homem de verdade é forte e não demonstra vulnerabilidades. Homem não leva desaforo pra casa. Homem não se sensibiliza, não conversa sobre sentimentos. Deve ser por isso que homens fazem menos terapia. Deve ser por isso que homens têm comportamentos autodestrutivos. Deve ser por isso que homens vivem menos que as mulheres, em média. Deve ser por isso que homens são a maioria do sistema penitenciário. Deve ser por isso que homens se suicidam mais.

> Receba as notícias do NSC Total em seu WhatsApp

As duas coisas são parecidas, essa vontade de voltar ao passado que parece ter voltado à moda e esse retorno da celebração do homem macho, como se bom mesmo fosse aquele homem antigo, forte e calado, matando ursos com as próprias mãos. As duas coisas são frutos da mesma árvore de ressentimentos, a revolta com um novo tempo que não valoriza tanto a força física, talvez o grande diferencial masculino nesse constructo. Somado ao fato de que injeção de hormônios e redes sociais podem causar um certo desequilíbrio psicológico, temos como resultado o Hulk moderno, verde (e amarelo), cheio de raiva, testosterona e confusão mental.

Em um nível muito básico, a visão da masculinidade do passado se refere a um comportamento anti-feminino. Tudo o que lembra culturalmente o feminino (roupas coloridas, chorar, auto-cuidado) é visto como algo não masculino e, portanto, negado, transformado em piada, diminuído, objeto de raiva e nojo. Essa visão divide homens e mulheres em papéis bastante limitados: o homem paga as contas, a mulher cuida da casa e das crianças. Para o homem, o mundo; para a mulher, a casa. Uma prisão para muitas mulheres. Nossas avós, nossas mães, nossas irmãs.

> O que é "cringe"? Entenda a briga entre Millennials e Geração Z

Essa visão idealizada de passado esquece as violências domésticas (ainda presentes), as traições, as mentiras, as carreiras interrompidas, a fragmentação familiar em essência, para além das aparências. Uma família feliz não se constitui com apenas uma pessoa feliz, e os outros orbitando aquela felicidade. Uma família feliz se conquista com conversa e investigação constante, com comprometimento com a felicidade de todos.

Quando você reconhece que não é perfeito e que precisa de ajuda, isso é ser homem. Quando você usa a força física para ajudar os mais fracos e não para oprimi-los, isso é ser homem. Quando você assume responsabilidade pelo que faz, isso é ser homem. Quando você demonstra carinho pelas pessoas que gosta, isso é ser homem. Quando você respeita mulheres como se fossem pessoas e não coisas, isso é ser homem. Quando você ouve e aprende e muda de opinião, isso é ser homem. Quando você cuida de você mesmo para que viva mais tempo ao lado das pessoas que gosta, isso é ser homem. Seja homem.

Leia também

Confira todos os lançamentos de julho de 2021 na Netflix

Conheça os 15 catarinenses convocados para as Olimpíadas de Tóquio​

Caso Evandro: o que aconteceu e as teorias do crime da série na Globoplay

Recorde de frio em SC: confira as menores temperaturas registradas na história

Marcos Piangers

Colunista

Marcos Piangers

Marcos Piangers é autor do best seller O Papai é Pop, com mais de 300 mil livros vendidos e traduzidos em inglês, espanhol e catalão. É uma das maiores referências sobre paternidade do Brasil e cinco vezes palestrante do TEDx, a maior conferência de ideias do mundo. Seus vídeos já ultrapassaram a marca de meio bilhão de views na internet.

siga Marcos Piangers

Marcos Piangers

Colunista

Marcos Piangers

Marcos Piangers é autor do best seller O Papai é Pop, com mais de 300 mil livros vendidos e traduzidos em inglês, espanhol e catalão. É uma das maiores referências sobre paternidade do Brasil e cinco vezes palestrante do TEDx, a maior conferência de ideias do mundo. Seus vídeos já ultrapassaram a marca de meio bilhão de views na internet.

siga Marcos Piangers

Mais colunistas

    Mais colunistas