A Tekoá Tava’í, aldeia indígena guarani localizada em Canelinha, município da Grande Florianópolis, teve o único projeto de Santa Catarina aprovado em uma chamada pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) destinada a seleção de ações emergenciais para combate da pandemia do novo coronavírus junto a comunidades vulneráveis.

Continua depois da publicidade

> Com pandemia de coronavírus, cerca de 17 mil índios fecham territórios em Santa Catarina

No projeto, estão previstas uma série de medidas afim de evitar o contágio pela Covid-19 na comunidade, bem como iniciativas que visam promover a autonomia alimentar e econômica dos indígenas que integram a aldeia. O projeto foi inscrito no edital pela aldeia em parceria com a Associação Artística Pequeninus, formada por artistas que atuam na cidade.

A aldeia fica no município de Canelinha - Vale do Rio Tijucas.
A aldeia fica no município de Canelinha – Vale do Rio Tijucas. (Foto: Isadora Manerich)

Ele prevê o desenvolvimento de ações em três eixos: incentivo a medidas de afastamento social dos indígenas, com o repasse de itens básicos de higiene pessoal e coletiva; ações de comunicação interna e externa, que fortaleçam a troca de informações entre os membros da aldeia e iniciativas de arrecadação de mantimentos; além do fortalecimento de práticas de agricultura tradicional guarani, que favoreçam o movimento para uma autonomia alimentar da comunidade.

> Ação cobra R$ 10 milhões da JBS em SC por demissão em massa de indígenas

O projeto, que tem caráter emergencial, será desenvolvido entre julho e setembro, com o objetivo de evitar ao máximo os impactos da pandemia entre os indígenas. Apesar da urgência das ações, elas visam a continuidade dos seus resultados. É por isso, portanto, que haverá formação de membros da aldeia para o fortalecimento das ações de comunicação e atividades agrícolas.

Cacique Kuaray Papá.
Cacique Kuaray Papá. (Foto: Isadora Manerich )

“Esse projeto chegou na aldeia quando mais a gente estava precisando. Hoje está difícil de conseguir o que a gente precisa, porque a pandemia agravou o que já é complicado. É muito importante essa amizade, as pessoas que estão se unindo a nós para nos apoiar nesse momento. Como liderança, é um alívio para mim”, salienta o cacique da aldeia, Kuaray Papá.

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total