nsc
    nsc

    Entrevista

    Senador Amin diz que “é repulsivo tentar intimidar o ministro Sergio Moro”

    Compartilhe

    Por Moacir Pereira
    24/06/2019 - 03h10 - Atualizada em: 24/06/2019 - 03h06
    Foto: Felipe Carneiro / NSC Total

    Catarinense Esperidião Amin ganha projeção em sua atuação no Senado. Intervenções na audiência do ministro Sérgio Moro foram enaltecidas pelos cronistas políticos. Seu voto contra o decreto do porte de armas, contudo, gerou críticas e polêmica. Ele esclarece aqui suas posições. 

    Por que o senhor votou contra o decreto de porte de armas?

    Porte de armas é assunto para lei federal. Tanto o presidente Bolsonaro quanto eu sabemos que foi a lei que deu porte de armas para a  guarda municipal, para guarda portuário e agente prisional. É a lei que tem de regulamentar isso. Minha prioridade será a de regular o porte dos clubes de caça e tiro, atiradores esportivos e colecionadores.

    Se o presidente enviasse um projeto de lei o senhor seria favorável?

    Teríamos debatido e aprovado tantos projetos de lei quantas sejam as categorias que merecem o direito a porte de armas.

    O senhor não está contra o porte de armas?

    Não! Sou contra a disseminação do porte de armas. Não concordo em conceder o direito a porte de armas de forma generalizada.

    E a posse de armas?

    Já está regulada e acho que está correta.  Aplaudi o decreto do presidente sobre posse e venda de armas. A comercialização foi resolvida pelo plebiscito, que só tinha uma pergunta: “Você é a favor ou contra a venda de armas no Brasil?” A maioria ficou a favor. A posse está bem regulada, mas o porte é tema de projeto de lei e jamais regulado por decreto.

    No depoimento do ministro Sérgio Moro, o senhor teve uma atuação muito elogiada. O que propõe sobre crimes cibernéticos?

    Número um: o que pretendem, tentando intimidar o ministro Sergio Moro é repulsivo. Isso parte de uma organização criminosa. Criminosa por acobertar os crimes de corrupção e criminosa pelo uso de meios cibernéticos para invadir, sem qualquer escrúpulo, o espaço da própria segurança pública nacional. Por isso, defendo que realizemos na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional uma avaliação do Programa Nacional de Guerra Cibernética, que já existe e é pouco valorizado.

    Os autores dos vazamentos não deveriam ser processados?

    O supridor do Intercept, sem dúvida! Pelo que sei, o Intercept não revela a fonte. Isso é problema da Polícia Federal. A fonte que invadiu a comunicação de juízes, promotores e PF tem que ser descoberta pela inteligência brasileira. E se não dispõem destes recursos, temos que dotá-la em nome da segurança nacional e do bom combate a corrupção.

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas