publicidade

Navegue por
Moacir

Eleições 2018

Vendaval bolsonarista desgasta partidos tradicionais

Compartilhe

Por Moacir Pereira
11/10/2018 - 04h00 - Atualizada em: 11/10/2018 - 04h00

O MDB catarinense apostava ser diferente do MDB nacional. Seus dirigentes estavam convencidos de que a corrupção de Brasília, que atingiu seus principais líderes, não contaminaria a eleição no Estado. A eleição mostrou que o partido sofreu desgaste e foi atingido pelo vendaval bolsonarista também aqui em Santa Catarina. O MDB ficou fora do segundo turno e reduziu suas bancadas. A federal caiu de cinco para três deputados e a estadual foi reduzida de 10 para 9 cadeiras. Pior: o partido ficou fora do segundo turno no governo.

Seu aliado, o PSDB, também sofreu forte revés. Perdeu os dois senadores, não conseguindo reeleger Paulo Bauer. O vice, Napoleão Bernardes, naufragou com Mauro Mariani. Os tucanos ficaram pela metade na Câmara, com redução dos deputados de dois para apenas um e na Assembleia, com diminuição de quatro para dois parlamentares.

O PT não entendeu as manifestações das ruas de 2013 e anos seguintes e a goleada municipal de 2016. Continua defendendo os corruptos, não fez autocrítica e teve a menos um deputado federal e um estadual, além de votações pífias de Ideli Salvati e Lédio Rosa ao Senado. Além disso, Décio Lula Lima recebeu apenas 12,78% dos votos.

O PSD pode comemorar a ida de Gelson Merisio para o segundo turno na disputa do governo, mas perdeu a corrida ao Senado com Raimundo Colombo. A bancada na Assembleia encolheu de nove para cinco deputados e a representação na Câmara Federal caiu de três para dois.

O PP elegeu Esperidião Amin senador com a melhor votação, mas registrou queda de dois deputados para apenas um na Câmara e de quatro para 3 deputados estaduais. E não reelegeu o presidente da Assembleia.

Vencedor com números surpreendentes foi o PSL, que colocou o comandante Moisés no segundo turno ao governo, fez excepcional votação com Lucas Esmeraldino ao Senado, elegeu seis deputados estaduais e quatro federais, saindo do zero.

 

Enganação

Fernando Haddad fez a campanha no primeiro turno com fotos de Lula, o vermelho totalitário e o 13. Agora no segundo turno tirou Lula, o 13 e o vermelho, colocando o verde-amarelo. A enganação continua; a manipulação politica também.

 

Arcaismo

Falando durante o lançamento do Pacto pela Inovação, no Centro de Inovação da Indústria, em Canasvieiras, o professor Sérgio Gargioni, ex-presidente da Fapesc, criticou a Universidade Federal de Santa Catarina, onde voltou a atuar plenamente no Centro Tecnológico.

– A estrutura da Universidade é arcaica. É burocrática, não tem dinheiro e a maioria tem a cabeça formada. Registra 1,6 mil estudantes de graduação, mestrado e doutorado. Mas onde estão eles? – indagou.

 

Leia também:

Miséria aumenta em Santa Catarina

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação