nsc
    nsc

    TRADIÇÃO

    Oficina de acordeões conserta instrumentos há mais de 70 anos em Blumenau

    Compartilhe

    Por Pancho
    21/12/2019 - 07h30
    Lindolfo Zabel
    Além de fazer reparos em instrumentos, Lindolfo Zabel também é músico. Foto: Pancho

    Há tempos ouvimos falar de ofícios artesanais e tradicionais que, gradativamente, desaparecem graças à evolução da tecnologia ou o barateamento dos produtos. Eis que num recanto do bairro Progresso, na região Sul de Blumenau, conheci um antigo ofício que parece longe de estar com os dias contados.

    Aos 79 anos, Lindolfo Zabel ainda se dedica a consertar acordeões. Para dar conta do recado, ele tem a ajuda do neto Adriano Ribeiro, que deixou de trabalhar numa oficina de motos para se dedicar à arte de devolver fôlego e melodia aos instrumentos.

    Lindolfo diz que nunca trabalhou tanto. E o movimento tem relação direta com a ascensão da música sertaneja e a popularização do instrumento. O trabalho é de muita paciência. Afinar um acordeão é trabalho que pode levar uma semana. Recuperar um instrumento por inteiro pode levar meses.

    Músico em Blumenau

    A vida de Lindolfo sempre teve a música como eixo principal. Quando a família veio de Guabiruba em 1947 o pai dele já consertava armas e acordeões. Como as armas geravam muita sujeira, o que atrapalhava o trabalho com os instrumentos, optou por ficar com a música.

    Lindolfo Zabel
    Lindolfo Zabel cuida de oficina que tem 72 anos
    (Foto: )

    Além de comandar a oficina, Lindolfo também gosta de tocar. Por cinco anos ele se apresentou diariamente em casas noturnas da cidade. Depois dedicou mais quatro ou cinco anos a animar os fregueses de uma churrascaria do Garcia e por fim vendeu o talento que tem ao tradicionalíssimo restaurante Cavalinho Branco, onde ficou por nove anos, praticamente de domingo a domingo.

    Adriano Ribeiro
    O neto Adriano Ribeiro tomou gosto pelo ofício de consertar acordeões
    (Foto: )

    Seu Lindolfo vai bem nos teclados e botões, mesmo com a idade avançada. Não é tão fã de música tradicional gaúcha. Gosta mesmo é de melodias mais leves, como a serenata espanhola Ao Clarear da Lua, que ele interpreta no vídeo abaixo. Confira também um pouco da rotina dele e do neto na oficina montada numa transversal da Rua Jordão.

    Conheça a história e a rotina de uma oficina de acordeões de Blumenau

    TRADIÇÃO

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas