publicidade

Pedro

Economia

Construtoras vendem mais imóveis em Blumenau em 2018

Compartilhe

Por Pedro Machado
10/01/2019 - 20h22 - Atualizada em: 10/01/2019 - 20h23
Sinduscon calcula comercialização de 1,4 mil a 1,5 mil unidades no ano passado (Foto: Lucas Correia, BD)

A construção civil deu sinais de reação em Blumenau no ano passado. O sindicato das empresas do ramo (Sinduscon) ainda está fazendo o levantamento dos números em detalhes, mas de antemão o presidente Marcos Bellicanta projeta um crescimento de pelo menos 20%, com a venda de 1,4 mil a 1,5 mil unidades. Em 2017, haviam sido 1,2 mil e, em 2016, apenas 900.

Com a economia patinando nos últimos anos e muitos imóveis vagos, as construtoras e incorporadoras diminuíram o volume de lançamentos. Agora, no entanto, os níveis de estoque estão caindo, o que pode abrir brecha para as empresas voltarem a investir em novos projetos. Para Bellicanta, porém, o desempenho de 2019 ainda é rodeado de certo mistério porque dependerá muito dos rumos do país e da agenda do novo governo.

— Se as reformas passarem e o governo acertar a mão, o pessoal volta com otimismo — diz o empresário, em referência às mudanças nas regras tributárias e da Previdências.

Justamente por isso o presidente do Sinduscon se diz um otimista cauteloso. Repetir o mesmo resultado de 2018, diz ele, já será positivo, mas há espaço para avançar mais se o cenário macroeconômico colaborar, principalmente a partir do segundo semestre se as reformas passarem no Congresso antes disso. A recém-sancionada Lei do Distrato, que aumenta o valor da multa para quem desistir da compra de imóveis na planta, também é vista com bons olhos pelas empresas, que avaliam que a medida aumenta a segurança das negociações.

Outro fator positivo, na avaliação de Bellicanta, está relacionado aos juros. Ao longo de 2018, bancos, principalmente os privados, reduziram taxas, o que ajudou a fomentar novos financiamentos. A Selic a 6,5% ao ano, com a previsão mais recente de atingir 7% ao final de 2019, ainda está baixa. Isso pode fazer com que os investidores enxerguem em imóveis opções mais rentáveis de negócios.

Mercado regido pela confiança

O segmento acompanha de perto os movimentos de Brasília porque é a política econômica que determina os níveis de confiança, fator que costuma ter peso significativo na decisão de compra. Quando eles estão baixos, o pessimismo acaba “contaminando” até mesmo mercados que sofreram menos na crise. É o caso de Blumenau, onde a taxa de desocupação, ao longo da recessão, sempre esteve bem mais baixa do que a média nacional.

Em cenários negativos, o consumidor, mesmo empregado e com dinheiro no bolso, pensa duas vezes antes de se comprometer com um endividamento de longo prazo, caso dos financiamentos imobiliários. O temor é de uma demissão no meio do caminho que o deixe sem capacidade financeira para honrar o compromisso. A troca de governo aumentou as expectativas positivos com o futuro da economia, refletindo também em mais bom humor do mercado.

Aliás

Do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) vem outro dado que comprova a recuperação da construção civil em Blumenau. Entre janeiro e novembro de 2018, o segmento acumula 332 novos empregos formais. Este saldo deve diminuir após a divulgação dos números de dezembro, em função da sazonalidade, mas tudo indica que ainda assim ficará positivo, ao contrário de 2017, quando foram eliminados 155 postos de trabalho no ramo.

Deixe seu comentário:

publicidade