nsc
nsc

GEADA

Geada tardia na Serra Catarinense

Compartilhe

Puchalski
Por Puchalski
25/10/2021 - 09h17
Geada no interior de São Joaquim
Geada no interior de São Joaquim (Foto: Mycchel Legnaghi)

Quem acordou bem cedo nesta segunda-feira em Santa Catarina percebeu um ar mais geladinho. Na Serra, o ar foi frio mesmo. O dia amanheceu com temperaturas típicas de inverno. Olha só:

1°C Bom Jardim da Serra

1,8°C São Joaquim

1,9°C Urubici

2,6°C Urupema

3,6°C Curitibanos

3,7°C Fraiburgo

3,9°C Lebon Régis

4,5°C Caçador

Dados das estações do Ciram

GEADA

Nas áreas de baixada da Serra até a geada apareceu no amanhecer desta segunda. Na região conhecida como Vale da Neve, interior de São Joaquim, o colega Mycchel Legnaghi fez o registro:

Geada no interior de São Joaquim
Geada no interior de São Joaquim
(Foto: )
Geada no interior de São Joaquim
Geada no interior de São Joaquim
(Foto: )

GEADA TARDIA

A imagem pode ser bonita, mas é preocupante para os fruticultores da região Serrana visto que o frio, a geada poderá prejudicar a qualidade das frutas como uva e maça. Para isso, é utilizado a técnica de gerar vento nos pomares. Como? Alguns produtores usar cataventos apropriados que provocam o vento que é um inibidor da geada:

Catavento no pomar para ajudar a dificultar a formação da geada
Catavento no pomar para ajudar a dificultar a formação da geada
(Foto: )

PREVISÃO DE NOVA GEADA

Na noite de segunda para o amanhecer de terça novamente as temperaturas vão diminuir no Estado. Boa parte das cidades não tanto quanto foi no amanhecer de segunda, mas na Serra poderemos ter algo em torno de 3 a 5°C. Chance de geada novamente mesmo que fraca e bem pontual. Depois do amanhecer de terça, não tem mais previsão.

Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Leandro Puchalski

Colunista

Puchalski

Leandro Puchalski é o meteorologista da NSC Comunicação. Explica como os fenômenos climáticos impactam na vida dos catarinenses.

siga Puchalski

Mais colunistas

    Mais colunistas