nsc
nsc

Funcionalismo

Aumento salarial de servidores em SC traz à tona debate sobre tamanho do Estado

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
14/08/2021 - 08h15 - Atualizada em: 14/08/2021 - 09h44
Os aumentos salariais e as contas públicas em SC
Os aumentos salariais e as contas públicas em SC (Foto: NSC Total)

A Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) aprovou na última quarta-feira (11)  a Proposta de Emenda Constitucional (PEC), de iniciativa do Poder Executivo, que eleva a remuneração mínima dos professores estaduais. Outros aumentos já foram e outros ainda devem ser enviados ao parlamento, nesses casos por meio de lei e que ocorrerão apenas a partir de 2022.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

O governo argumenta que vem fazendo o dever de casa. Que o Estado está saneado financeiramente, em função da reforma administrativa e outras medidas, como as revisões de incentivos fiscais e dos gastos do governo, além da reforma previdenciária aprovada na última semana. E que agora é o momento de valorizar os servidores públicos das diversas carreiras que compõem o Poder Executivo.

A PEC dos professores  tem uma peculiaridade: o pagamento previsto já este ano, em agosto.  Em setembro, paga o mês, mais os retroativos de fevereiro e março. Em outubro, paga o mês, mais os retroativos de abril e maio. Em novembro, paga o mês, mais os retroativos de junho e julho. E assim vai.

Chama atenção que, no início da pandemia, a lei que estabeleceu ajuda financeira do Governo Federal aos estados e municípios proíbe o aumento de despesas com pessoal até o final de 2021. O STF e o TCE já se posicionaram  apontando, inclusive,  a impossibilidade de reposição inflacionária.

Com base em parecer da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o governo defende que, no caso do piso mínimo dos professores, normas constitucionais - e assim superiores à referida lei – permitem a concessão ainda este ano. Uma manobra ou interpretação jurídica do governo Moisés.

Como pano de fundo, está o cumprimento da aplicação mínima em educação - de 25% dos impostos arrecadados. Bastidores dão conta que o governador Carlos Moisés determinou à equipe o cumprimento da norma, que Santa Catarina, vergonhosamente, nunca obedeceu.

As medidas e as razões são elogiáveis, mas trazem à tona o constante debate sobre o tamanho do Estado. É preciso ter equilíbrio entre as duas necessidades. De um lado a valorização do servidor, sobretudo em áreas como saúde, educação e segurança e aqueles com salários mais baixos. De outro, a de trazer e manter o gasto público a patamares razoáveis. Valorização que deve vir acompanhada de metas e indicadores de produtividade.

Pelos dados do TCE/SC em suas últimas análises das contas anuais, houve significativa melhora na situação financeira do Estado nos últimos dois anos. Que este resultado não seja perdido com aumentos da máquina pública. Cabe aos órgãos de controle, sobretudo o Tribunal de Contas, fiscalizar e mostrar à sociedade se estes bons resultados não serão perdidos em função das novas medidas.

Leia Mais:

Busto de Hitler e suástica nazista somem de loja em SC após denúncia de turista; polícia investiga o caso

Doria reforça discurso da terceira via: "Não sou esquerda nem direita"

Voto impresso: veja como funciona e entenda a polêmica

Discussão sobre linguagem neutra não é prioridade

Homem é morto após se negar a usar máscara em mercado de Palhoça

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas