nsc
nsc

publicidade

Futebol

Memória: em 1985, a Ressacada recebia um grande dirigente

Compartilhe

Roberto
Por Roberto Alves
08/11/2019 - 12h59
Dirigentes na Ressacada
Foto: acervo Túlio Zumblick

Dois anos depois da inauguração, o Estádio da Ressacada recebeu um ilustre desportista para uma homenagem relevante.

Dia 20 de novembro de 1985. Salim Mussi, então presidente do Hercílio Luz de Tubarão, pisava no gramado da Ressacada para ser lembrado como um dos grandes dirigentes da história do futebol catarinense.

Neste dia, Avaí e Hercílio Luz empataram em 0 x 0.

No registro, a partir da esquerda: o então presidente do Avaí, José Bastos; Salim Mussi, Mario César Campos, Túlio Zumblick (atual diretor do Hercílio Luz);

Mais ao fundo: Nilson Fidélis, ex presidente do Avaí e Michel Mussi, filho de Salim Mussi e que também foi presidente do Hercílio Luz de Tubarão.

O Hercílio Luz é bi-campeão catarinense de futebol, nos anos de 1957 e 58.

Conclamação final

Torcida do Figueirense
Promessa é de caldeirão na noite de sexta (8)
(Foto: )

Nesta sexta-feira (8), o torcedor do Figueirense tem um compromisso com a instituição. Seu time vai estar em campo e quando isso acontece é preciso estar pressente.

Este jogo contra o Coritiba pode ser finalmente o da arrancada para dias melhores. Levando-se em consideração a tabela do campeonato, uma vitoria e o Figueirense daria uma boa respirada para depois partir em definitivo para fora da zona de rebaixamento. Tudo isso passa pela presença da torcida, que sempre foi fator determinante no estádio Orlando Scarpelli.

Uma baixa e dois retornos

Ruan Renato está fora do jogo por conta de uma lesão de última hora. Odilávio, que não é titular, mas uma boa opção, também está fora.

Em compensação, Betinho e Rafael Marques estão à disposição do técnico Pintado. Espera-se 10 mil torcedores para tornar o Scarpelli no cadeirão que faz a diferença.

Rumo ao acesso

O Coritiba faz uma campanha de recuperação. Começou mal e hoje é o quarto colocado dentro da zona de acesso à Série A.

Os meias Luiz Henrique e Rafinha, que ainda está fora por problemas físicos, serão os únicos desfalques do técnico Jorginho.

O coxa deve iniciar a partida com: Muralha; Diogo Matheus, Nathan Ribeiro, Sabino e William Matheus; Serginho e Matheus Salles; Juan Alano, Giovanni e Robson; Rodrigão.

Coritiba vai a campo já sabendo o que resultado do rival Paraná Clube, que o persegue na tabela e joga às 19h15 contra o Vitória, em Salvador.

Motivação é o problema

Roberto Cavalo
Roberto Cavalo, técnico do Criciúma
(Foto: )

Eis o problema do técnico do Criciúma: fazer o time entrar no clima de decisão para tentar escapar da degola. O grupo, pelas informações, anda cabisbaixo e um segmento da imprensa não acredita mais em salvação.

Um ano péssimo para o Tigre, que deve ser repensado para que não se cometam os mesmos erros em 2020.

Joga neste sábado contra um dos bons times da Série B, o Sport, em Pernambuco.

Que jogo, hein?

O Avaí volta a campo nesta segunda-feira, no Engenhão. Joga contra o Botafogo, agora companheiro na zona de rebaixamento.

Com Alberto Valentim, que nada acrescentou durante a passagem pelo Avaí, igualmente ainda nada aconteceu no Botafogo, fora a pressão que aumentou depois da derrota para o Flamengo e a entrada no zona de rebaixamento.

O Avaí pode ter decretado o rebaixamento matematicamente em caso de derrota neste jogo. E o Botafogo jogará sob forte pressão, com a obrigação de vencer a partida.

Dois jogos em Casa

Em situação delicada, mas um pouquinho melhor que a do Avaí, a Chapecoense tem dois jogos em casa nos próximos domingos.

Dia 10 enfrenta o Grêmio e dia 17, o Ceará. Dois compromissos difíceis que devem ser cumpridos com a mesma disposição dos demais até para terminar o campeonato com dignidade se não for possível permanecer na elite.

Catarinense 2020

Que tal imitar o futebol paulista, um dos bons campeonatos estaduais do país, com uma formula que dê condições a todos de participar?

Quem sabe

Duas séries: A-1 com os oito principais clubes do Estado e A-2 com mais oito que hoje integram a Série B. Teríamos uma competição bem definida com 16 clubes.

Seriam competições distintas com os dois últimos da A caindo para a B e os dois primeiros da B subindo para a divisão principal.

Não acredito

O Conselho Técnico que será realizado até o dia 22 de novembro vai tentar passar uma proposta da Associação de Clubes que prevê 12 clubes na Série A em 2021.

Uma proposta dos chamados "clubes menores", que só será aprovada se os grandes aceitarem. Eles têm a maioria dos votos.

Retrocesso

O ex-presidente do Criciúma, Moacir Fernandes, já disse há muitos anos que só teremos um campeonato de qualidade e importância quando chegarmos ao número ideal de oito participantes.

Quanto mais aumentarem o número de clubes, pior. Teremos problemas de estrutura, estádios sem condições, equipes de baixo nível, jogos desinteressantes e um campeonato arrastado.

Boa iniciativa

Rafael Henzel
(Foto: )

Em boa hora a Federação Catarinense de Futebol está lembrando do radialista Rafael Henzel, falecido este ano vitima de infarto do miocárdio, dando o nome dele ao troféu de campeão e vice da Copa SC deste ano.

Rafael era narrador da Rádio Oeste Capital de Chapecó e foi um dos sobreviventes do acidente que vitimou 71 pessoas em 2016, quando a delegação da Chape se preparava para pousar em Medellín, na Colômbia.

As semifinais da competição serão neste domingo (10) e a grande final no dia 24. Marcílio Dias, Avaí, Brusque e Tubarão disputam a vaga na finalíssima.

​Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

publicidade