nsc
    nsc

    Altos e baixos

    Primeiras decepções da Copa

    Compartilhe

    Roberto
    Por Roberto Alves
    18/06/2018 - 05h00
    (Mladen Antonov, AFP)

    A bola rola e as surpresas começam a aparecer. Algumas até extravagantes, como foi a estreia da Argentina diante da Islândia. Dois grandes momentos no centro de imprensa, sábado, com direito a grande algazarra: o gol islandês e o pênalti perdido pelo Messi. Era tudo que a imprensa brasileira queria. O mais curioso é que jornalistas de outros países também vibraram com o primeiro fracasso da Argentina. Porque será? E a atual campeã Alemanha, que perdeu para o México ontem, hein? 

     

    Cristiano Ronaldo

    A Copa começou e, com exceção do jogo inaugural da Rússia, não vi muita empolgação pelas ruas de Rostov. Fora isso, só o Brasil chama atenção. Outro personagem foi muito festejado nesses primeiros jogos da Copa: Cristiano Ronaldo diante da Espanha. Ao seu estilo provocativo, não perdoou alguns companheiros da Espanha. O gajo foi celebrado nos poucos restaurantes da cidade que tinham imagem do jogo.

     

    Direto da Rússia: confira também as publicações de Cacau Menezes

     

    Como resolver

    A Fifa de vez em quando se depara com problemas internos dos países. O que pensa um patrocinador que gasta uma fortuna em um evento do tamanho da Copa e um jogador escolhido melhor do jogo recusa-se a receber o prêmio porque sua religião é contra? O goleiro do Egito fez isso. Muçulmano, ele é contrario ao álcool produzido pela cerveja patrocinadora do Mundial e abriu portas para um debate sobre o tema.

     

    Desnecessário

    O primeiro momento polêmico da Copa foi no jogo França e Austrália. O árbitro de vídeo ajudou a decidir a partida, ainda que o gol do francês Pogba nem precisasse. Claramente, a bola ultrapassou a linha do gol. De qualquer maneira, é melhor assim do que ficar a dúvida no ar. Longe de estar no seu melhor momento, a Frnaça venceu o jogo.

     

    Frase

    “Acho que o Brasil faz a final com a Espanha”, disse o excelente repórter da Globo Tino Marcos, em entrevista à rádio CBN Diário.

     

    POSITIVO

    Esperava uma Rússia fechada, carrancuda, sem muita expectativa para uma boa Copa. Ledo engano. O povo me surpreendeu, pelo menos aqui em Rostov.

    NEGATIVO

    Dificilmente em qualquer jogo de Copa do Mundo o estádio não está lotado. A Fifa quer saber qual a razão de seis mil lugares estarem vagos no jogo Uruguai e Egito. A comercialização é feita com anos de antecedência. Será que já estão botando a mão ou não houve interesse mesmo?

     

    Curioso

    Em um dos jogos de sábado, sintonizei em um canal de TV com a narração feminina. Em alguns momentos narrava sozinha e em outros havia um colega junto. No melhor estilo russo, imagine a gritaria. De vez em quando seu charme era prejudicado pelo narrador que insistia em cortar a sequência do lance.

     

    Zarpamos

    São Petersburgo é a nossa próxima parada e para onde estamos indo hoje à noite. Lá é onde o Brasil joga na próxima sexta-feira contra a Costa Rica. Saudade é o que vamos sentir desta acolhedora e bonita cidade, Rostov.

     

    Leia outras publicações de Roberto Alves

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas