nsc
    nsc

    DOIS CANDIDATOS A PREFEITO EM 2020

    Novo partido de Bolsonaro "resolve" disputa interna  no PSL de Joinville

    Compartilhe

    Saavedra
    Por Saavedra
    13/11/2019 - 13h47 - Atualizada em: 13/11/2019 - 14h06
    No início do mês passado, lideranças do PSL de Joinville encaminharam acordo na presença do deputado Major Vitor Hugo: agora haverá divisão (foto: Divulgação)
    No início do mês passado, lideranças do PSL de Joinville encaminharam acordo na presença do deputado Major Vitor Hugo: agora haverá divisão (foto: Divulgação)

    A criação de um novo partido pelo presidente Jair Bolsonaro “resolveu” as disputas internas no PSL em Joinville: agora, os grupos divergentes vão se separar e cada lado terá seu próprio candidato a prefeito, caso se efetive o registro da Aliança pelo Brasil até março, em tempo hábil para participar das eleições.

    Nos próximos dias, como já estava previsto, o presidente estadual do PSL, Fábio Schiochet, anuncia a nova executiva do partido em Joinville. A novidade é que Schiochet não precisará ouvir Coronel Armando e Sargento Lima, afinal, os dois deputados não vão ficar no PSL. Um dos nomes cotados para o comando do PSL em Joinville passa a ser Derian Campos, ex-presidente municipal.

    O secretário estadual também quer concorrer a prefeito, mas a candidatura vai depender do aval do governador Carlos Moisés. Derian vem dizendo que o governo Moisés vem fazendo “história”, mas ainda não foi apontado como o preferido do governo (nem ele, nem ninguém, pelo menos publicamente). O PSL terá o fundo partidário e o tempo maior de TV, mas não terá Bolsonaro como cabo eleitoral - embora também irá se apresentar como apoiador do presidente (como a maioria dos candidatos).

    Coronel Armando e Sargento Lima, agora juntos pelo alinhamento com o presidente, vão ficar no PSL até que a Aliança ganhe o registro. Se saírem antes, correm risco de perda de mandato por infidelidade partidária. Desse novo partido, garante Coronel Armando, vai sair um nome para disputar a Prefeitura. O novo partido poderá ter fundo partidário menor e nem com tempo de TV expressivo, mas poderá se apresentar o candidato oficial de Bolsonaro. Mas precisa garantir a confirmação da legenda no TSE.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas