publicidade

Saavedra

Infraestrutura

Rua Dona Francisca será a próxima cobrança de Joinville ao governo do Estado

Compartilhe

Por Saavedra
15/06/2019 - 08h00 - Atualizada em: 15/06/2019 - 08h00
(Foto: Salmo Duarte / A Notícia)

Após a autorização da duplicação do acesso ao Distrito Industrial (Hans Dieter Schmidt e Edgar Meister), feita na sexta pelo governador Carlos Moisés em solenidade, a duplicação da rua Dona Francisca será a nova cobrança junto ao governo do Estado em infraestrutura. O trecho também fica na zona industrial, entre a rótula da Marquês de Olinda com a Arno Waldemar Döhler e a avenida Edmundo Doubrawa, mais ao Norte, em Pirabeiraba.

Na década passada, essa obra era considerada prioritária, com Santos Dumont e Eixo Industrial em segundo plano, mas acabou sendo preterida. Agora, será a pauta da Prefeitura de Joinville, com apoio de entidades empresariais. O custo estimado da obra é de R$ 70 milhões, incluindo desapropriações. A abertura da Almirante Jaceguay (R$ 25 milhões), melhorias na Edmundo Doubrawa (R$ 5 milhões) e abertura do Eixo K, no Distrito Industrial (R$ 5 milhões) também estão na lista, para um segundo momento.

Quando começa

A duplicação do eixo industrial, escolhida por ser via utilizada para escoar a produção industrial de Joinville e pela condição de ter licitação concluída, tem chances de iniciar entre julho e agosto. A ordem de serviço para a Infrasul (vencedora da licitação lançada no governo anterior) deve sair ainda neste mês. O prazo para a obra ficar pronta é de dois anos. Com supervisão, ainda a ser contratada, a duplicação custará R$ 41 milhões.

Sem recuo

Mais uma vez, Carlos Moisés fez questão de dizer que não houve “recuo” do governo na votação do projeto para a redução do duodécimo dos demais poderes, rejeitado pela Assembleia: foi derrota do governo do Estado. Mas o tema continua em pauta e ele vai tentar uma composição com TJ, Alesc, MP, Udesc e TCE. 

Uma lembrança

Episódios da campanha eleitoral envolvendo os bombeiros voluntários não deixaram de ser lembrados pelo governador Carlos Moisés e pelo deputado Sargento Lima no evento na Acij, quando também foi assinado repasse para as corporações. Foram citadas as gravações em redes sociais, uma delas feita por candidato a deputado, de que Moisés, com carreira como bombeiro militar, não atenderia os voluntários. Sargento Lima lembrou de sua resposta à época, de garantia de apoio aos voluntários. Moisés se disse “chocado”, com o “lixo” jogado na redes. 

Tentativa de novo viaduto

Assim como feito na duplicação da Santos Dumont, também será tentada a inclusão de um viaduto na obra do Eixo Industrial. Na avenida, foi construída a estrutura junto à Tuiuti. No Distrito Industrial, o plano é instalar o elevado na rotatória com a Dona Francisca (foto acima). Até havia essa previsão na discussão do Eixo Industrial, mas acabou sendo descartado. Se não sair agora, o viaduto terá que sair na duplicação da Dona Francisca.

Esperança ICMS

A Secretaria de Fazenda de Joinville está convicta em aumento da parcela do ICMS da cidade em 2020, ainda que os índices provisórios do governo do Estado tenham apontado queda dos atuais 8,38% para 8,36% para o ano que vem. A confiança da Fazenda é motivada pela apresentação de recursos administrativos, o que pode levar a índice superior ao atual. 

Nomenclatura

Com a extinção do Deinfra, as superintendências regionais foram transformadas em coordenadorias regionais de infraestrutura, ligadas a uma diretoria da Secretaria de Estado da Infraestrutura. No caso da região de Joinville, Andréa Teixeira se manteve na posição. 

Equipe

Claudio D’Amato, Douglas Gonçalves e Marconi Bartholi foram nomeados agora na Secretaria de Assuntos Internacionais, comandada por Derian Campos.

PSL não muda direção

Pelas articulações até agora, Coronel Armando vai continuar no comando do PSL de Joinville por tempo indeterminado, possivelmente além da eleição municipal de 2020. O mandato da atual direção do partido vai até setembro e havia indicativo de composição com o grupo do Sargento Lima e de Derian Campos. Mas aparentemente não há como ter conciliação. 

Definição do candidato

Udo Döhler alega que em até dois meses será possível ter um esboço do perfil do candidato a prefeito esperado pelos eleitores de Joinville. Mas a escolha do candidato governista seria feita no início de 2020, ainda segundo o prefeito. Udo não diz, mas para estar estimando prazos de dois meses para definição de perfil, devem estar sendo feitas consultas. Por ora, o favorito é Fernando Krelling, ainda que o prefeito não tenha se manifestado até agora sobre nomes.

Arrancada de Moisés

A assinatura de uma obra no Distrito Industrial e a garantia de repasses para bombeiros voluntários, Bolshoi e Festival de Dança, Carlos Moisés dá um status de normalidade ao seu governo em Joinville. Claro que há outras demandas a serem atendidas, mas o temor de ruptura em ações de governo está afastado. Tanto que Udo Döhler e João Martinelli eram só elogios. “Extremamente animador”, disse o prefeito sobre o início do governo. 

Reconhecimento

Vicente Caropreso aponta como “grande superação” o trabalho de Marco Tebaldi na presidência do PSDB/SC, mesmo com as dificuldades, inclusive de saúde. Para o deputado, tem sido uma atuação excepcional.

Sem greve

O pagamento da inflação, com os 5,07% divididos em três parcelas, e os 6% a mais no vale-alimentação foram aceitos pelos servidores municipais de Joinville. Assim, a possibilidade de greve está afastada. 

Deixe seu comentário:

Jefferson Saavedra

Saavedra

Saavedra

Jefferson Saavedra traz análises e notícias exclusivas dos assuntos mais relevantes do Norte catarinense, com foco nos bastidores de todos os temas que envolvem especialmente Joinville e região, como política, segurança, mobilidade, saúde e educação.

jefferson.saavedra@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade