nsc
    nsc

    Novo presidente

    Começa a Era Bolsonaro

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    01/01/2019 - 16h42 - Atualizada em: 01/01/2019 - 17h33
    Presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Mourão.
    Presidente Jair Bolsonaro e seu vice, Mourão.
    (Foto: )

    A bordo do tradicional Rolls Royce, motivo de suspense até o início da cerimônia de posse, era cerca de 15 horas quando Jair Bolsonaro (PSL) chegou ao Congresso Nacional como o eleito de 57,7 milhões para de lá sair quase uma hora e meia depois como o 38o presidente do Brasil.

    Empossado, o capitão da reserva do Exército e agora ex-deputado federal mostrou que o discurso que conquistou a maioria do eleitorado e deu vazão a uma onda conservadora que se espalhou pelo país não será abrandado com a chegada ao poder.

    Logo no início do breve discurso, cerca de nove minutos, que fez no parlamento, Bolsonaro em “reconstruir nosso país e resgatar a esperança dos nossos compatriotas” e esse foi o tom da fala - em consonância com as promessas que fez na campanha eleitoral e indicando a intenção de manter acesa a polarização com a esquerda que marcou o confronto com o PT do candidato derrotado Fernando Haddad. Bolsonaro prometeu um Brasil “livre de amarras ideológicas”, citando a valorização das famílias, respeito às religiões sem abdicar da tradição judaico-cristã e combater o ensino de gênero nas escolas.

    O presidente falou em governar para os brasileiros que “querem boas escolas, capazes de preparar seus filhos para o mercado de trabalho e não para a militância política; que sonham com a liberdade de ir e vir, sem serem vitimados pelo crime; que desejam conquistar, pelo mérito, bons empregos e sustentar com dignidade suas famílias; que exigem saúde, educação, infraestrutura e saneamento básico, em respeito aos direitos e garantias fundamentais da nossa Constituição”.

    Bolsonaro reforçou a defesa da flexibilização do acesso a armas para legítima defesa, maior segurança jurídica para policiais que se envolvem em confrontos e a valorização das Forças Armadas - temas frequentes do candidato e que agora acompanham o presidente no Planalto. Pediu ruptura com vícios da classe política e garantiu que vai mudar as bases da relação com o Congresso. Faz acenos ao mercado prometendo responsabilidade fiscal, respeito a contratos e reformas - sem especificá-las.

    O nascimento da Era Bolsonaro foi marcado por um forte esquema de segurança em Brasília - mais rígido do que nas posses presidenciais dos antecessores. Profissionais de imprensa chegaram a reclamar de restrições no acesso aos locais da cerimônia, rigidez no tratamento e pela obrigação de deslocamento prévio ao Centro Cultural Banco do Brasil - o quartel-geral da transição - no início da manhã, sete horas antes do início da cerimônia de posse.

    As críticas reforçam outro ponto que marcou o candidato Bolsonaro e que, tudo indica, deve subir a rampa do Palácio do Planalto: o relacionamento conflituoso com a imprensa tradicional. Entusiasta da comunicação direta das redes sociais, o novo presidente fez um raro improviso no discurso lido ao agradecer “a honrosa missão de governar o Brasil”, acrescentando ao texto a expressão “governar com vocês”.

     

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas