nsc
    nsc

    Repasse

    STF analisa ação do governo de SC contra 15% para a saúde

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    24/04/2019 - 10h00 - Atualizada em: 24/04/2019 - 10h44
    Carlos Moisés é contra aumento obrigatório do repasse para saúde de 12% para 15%. Foto: Diórgenes Pandini
    Carlos Moisés é contra aumento obrigatório do repasse para saúde de 12% para 15%. Foto: Diórgenes Pandini

    Nesta quarta-feira o Supremo Tribunal Federal deve decidir se é constitucional a emenda catarinense que passou de 12% para 15% da arrecadação o investimento mínimo obrigatório em saúde. Lembrando que a Assembleia aprovou a mudança ainda no governo Raimundo Colombo (PSD), que entrou na Justiça no final de 2017 por medo de não alcançar o percentual. Carlos Moisés (PSL) também quer a redução.

    A Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo Executivo catarinense, em 2018, questiona a emenda constitucional 72/16, que modificou os percentuais de repasse para a saúde, prevendo aumento de 12% para 15% entre os anos de 2017 e 2019.

    A Procuradoria Geral do Estado entende que a emenda é inconstitucional, viola o Pacto Federativo, a separação de Poderes, além dos princípios da razoabilidade e da responsabilidade fiscal.

    - É indiscutível a intenção da Administração Pública estadual de investir o máximo possível na área da saúde, mas não se pode admitir uma previsão claramente inconstitucional. A emenda questionada invadiu competência da União e retirou a liberdade do Poder Executivo catarinense de propor suas diretrizes orçamentárias - destaca a procuradora-geral do Estado, Célia Iraci da Cunha.

    Leia também:

    Alíquota de 15% da saúde precisa ser defendida

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas