nsc

Os dois lados da BR-470

Por Bianca Bertoli

Diferenças e semelhanças compõem as duas pontas da BR-470 no Vale do Itajaí. Onde nasce, em Navegantes, o barulho incessante de caminhões se mistura ao da vida acontecendo ao lado, nas comunidades próximas às pistas. No lugar em que termina na região, na cidade de Pouso Redondo, o cenário é oposto: o silêncio só é interrompido pela passagem menos frequente de veículos e pelo vento que balança milhares de árvores às margens da rodovia.

De ponta a ponta, a BR-470 guarda histórias. Tristes, curiosas, engraçadas, de vida. O asfalto esburacado na maioria dos quase 200 quilômetros que cortam a região, entre o Litoral e Alto Vale, está longe de ser apenas instrumento de deslocamento para trabalhadores, famílias e turistas. É como se a rodovia fosse um livro aberto. Há capítulos de esperança, como a história do Dr. Honesto, trailer que vende produtos sem atendente em Rodeio e Apiúna por uma causa nobre. Há trechos de angústia, de famílias que perderam ou vão perder o pouco que têm para dar espaço à prosperidade da duplicação.

Expediente

Reportagem: Bianca Bertoli
Edição: Augusto Ittner
Vídeo e fotografia: Patrick Rodrigues
Edição de vídeo: João Scheller
Arte: Tayná Gonçalves