O desaparecimento de um morador do Alto Vale do Itajaí acaba de completar um ano. Nereu Fiedler escapou da ala psiquiatra onde estava internado em Rio do Sul e nunca mais foi localizado. A delegacia especializada em pessoas desaparecidas de Santa Catarina diz que o caso é monitorado, mas não há indícios do paradeiro do morador de Ibirama. 

Continua depois da publicidade

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Na época do sumiço, amigos, parentes e bombeiros se mobilizaram para localizá-lo tendo por base imagens de câmeras de segurança. Uma delas chega a mostrar o idoso vagando pelo centro de Rio do Sul e depois em direção a uma área rural em Agronômica. 

A partir dali não surgiram novas pistas sobre o que pode ter acontecido com Nereu. 

A Polícia Civil local não chegou a abrir inquérito por não ter indicativos de crime, uma vez que, apesar da situação mental do homem de 60 anos, ele deixou o Hospital Samária por conta própria. Ainda assim, a Delegacia de Polícia de Pessoas Desaparecidas (DPPD) diz ter conhecimento do caso, garante que está no sistema, porém sem novidades. 

Continua depois da publicidade

Imagens mostram o idoso pelas ruas

Casos que desafiam as autoridades 

De acordo com o responsável pela DPPD, Wanderley Redondo, a equipe para trabalhar nestes casos é pequena e são cerca de 10 novos casos chegando à delegacia diariamente. 

Ele garante que, ainda assim, se faz um rastreamento com órgãos como Ministério do Trabalho para saber se há alguma movimentação em nome do desaparecido e até com hospitais. 

Redondo diz que uma possibilidade cogitada por ele para suprir a falta de pessoal é que as Delegacias de Investigação Criminal (DIC) atuem nesses casos, já que estão mais próximas dos locais das ocorrências.

O delegado pontua ainda que a delegacia está começando um levantamento com ossadas, corpos em decomposição e cadáveres não identificados encontrados desde 2010 para tentar verificar se algum deles pode ser de pessoas com registro de desaparecidos. 

Continua depois da publicidade

Segundo Redondo, nada do que se tem até o momento aponta para Nereu Fiedler.

Por fim o delegado lamenta ainda o fato de o banco de dados não ser nacional e sim individual, de cada estado. Logo, nem sempre se consegue em localizar em outras regiões pessoas que desapareceram em Santa Catarina e que por ventura não conseguem recordar o próprio nome e cidade de onde vieram.

Leia também > Homem é brutalmente esfaqueado até a morte em Blumenau

Nereu Fiedler consta no banco de dados de pessoas desaparecidas em SC
Nereu Fiedler consta no banco de dados de pessoas desaparecidas em SC (Foto: Polícia Militar / Reprodução)

 Leia também 

Caso de falsa freira que fazia cirurgias com tesoura em Blumenau vai parar na Justiça

Pedaços do clube flutuante que naufragou em Balneário Camboriú surgem em praias

Destaques do NSC Total