Um acidente em Honduras envolvendo um Airbus A320 da companhia aérea Taca matou nesta sexta-feira Jeanne Chantal Neele, mulher do embaixador brasileiro no país – e feriu outras 66. Entre os passageiros feridos está o embaixador brasileiro, Brian Michael Fraser Neele.

Continua depois da publicidade

Junto com a mulher, Neele, 67 anos, voltava de El Salvador, onde havia acompanhado a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao país. Segundo a embaixada, ele sofreu fraturas nos braços e pernas, foi internado em um hospital particular e passa bem.

O avião, que transportava 124 passageiros mais a tripulação, fazia a rota Los Angeles-San Salvador-Tegucigalpa-San Pedro Sula e estava em sua segunda tentativa de aterrissagem. Por conta das más condições de visibilidade, já havia arremetido na primeira tentativa de pousar no aeroporto de Toncontín, na capital, Tegucigalpa.

Durante o procedimento de aterrissagem, derrapou, ultrapassou as barreiras de contenção e invadiu uma rodovia próxima à pista, atingindo veículos que trafegavam pelo local. O chefe da Comissão Nacional de Emergência, Marcos Burgos, ressaltou que a pista estava bastante molhada no momento do pouso.

Um dos mortos é o presidente do Banco Centro-Americano de Integração Econômica (BCIE), o nicaragüense Harry Brautigam. Segundo informações médicas oficiais, ele morreu em decorrência de problemas cardíacos logo após a derrapagem. O piloto do A320 e um motorista atingido pelo avião também estariam entre as vítimas fatais. O choque causou o rompimento dos tanques da aeronave, que despejaram cerca de 7,5 mil litros de combustível.

Continua depois da publicidade

Toncontín é considerado um dos aeroportos mais perigosos para pouso na América Latina, por ficar em meio a montanhas e contar com uma pista curta e de difícil acesso. O presidente hondurenho, Manuel Zelaya, disse que estuda usar a pista da base aérea americana de Soto Cano para pousos e decolagens de aviões maiores.

Destaques do NSC Total