nsc
    an

    publicidade

    JUDICIÁRIO

    Acusado de matar esposa grávida vai a júri popular em Jaraguá do Sul 

    Segundo relato de familiares, Andréia Campos Araújo estava esperando bebê quando foi morta por estrangulamento

    31/07/2019 - 11h47 - Atualizada em: 31/07/2019 - 12h04

    Compartilhe

    Gabriela
    Por Gabriela Florêncio
    Andréia foi morta em agosto do ano passado
    Andréia foi morta em agosto do ano passado
    (Foto: )

    Marcelo Kroin, de 38 anos, acusado de matar a mulher, Andréia Campos Araújo, vai a júri popular em Jaraguá do Sul. A sessão acontece em 20 de agosto, às 9 horas, no Fórum do Município. O corpo da vítima foi encontrado enrolado em um cobertor dentro do carro do casal, em 5 de agosto de 2018. Marcelo pode ser condenado por feminicídio e tentativa de ocultação de cadáver.

    A denúncia do Ministério Público (MP), oferecida em 23 de agosto do ano passado, apontou que o homem teria agido de forma premeditada e com intenção de matar. O crime foi descoberto após uma denúncia anônima à Polícia Militar (PM), informando sobre situações de violência domestica na casa onde Andréia morava.

    O primeiro laudo elaborado apontava o traumatismo craniano como causa da morte, mas exames complementares apontaram que ela foi morta por estrangulamento. A investigação da Polícia Civil apontou que, depois do crime, Marcelo enrolou o corpo da vítima em um cobertor e colocou no carro. Ele viajou com a mulher morta ao lado dele até a cidade de Canoinhas, no Planalto Norte, mas como não soube como proceder, retornou para a casa.

    Ainda conforme a denúncia, Marcelo tentou simular que não estava com ela durante o crime.

    — Em posse do aparelho celular da vítima, utilizou-o para simular o abandono do lar pela companheira (já sem vida), encaminhando falsa mensagem de despedida a ele próprio — afirmou o MP na acusação.

    O corpo também apresentava vários traumas e ferimentos, sinal de que a vítima tentou se defender antes do crime. A reportagem não conseguiu contato com os advogados, Sebastião da Silva Camargo e Jussara Cristina Laurett, descritos no processo como responsáveis pela defesa de Marcelo.

    Relembre o caso

    O corpo de Andréia foi encontrado em 5 de agosto de 2018, enrolado em um cobertor, no banco da frente do carro do companheiro. O crime foi descoberto após denúncia anônima sobre um possível feminicídio. Segundo a PM, o homem relatou à época que estava com a esposa na noite anterior em uma festa, onde teria acontecido uma discussão entre os dois.

    Ele teria ido embora sozinho logo em seguida. Marcelo disse que, por volta das 3h, a esposa chegou embriagada em casa, onde aconteceu um novo desentendimento. Segundo o denunciado, Andréia teria o agredido e depois ido até a cozinha pegar uma faca. Neste momento, para se defender, deu um soco na vítima que teria batido a cabeça no chão e morrido.

    Leia mais notícias sobre Joinville e região.

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade